Tamanho do texto

Em todas as regiões brasileiras, a rede de atendimento dos Correios está aberta e todos os serviços, incluindo Sedex e PAC permanecem funcionando

Brasil Econômico

Cerca de 90,59% do efetivo dos Correios do Brasil não aderiu à paralisação
shutterstock
Cerca de 90,59% do efetivo dos Correios do Brasil não aderiu à paralisação

Na tarde de segunda-feira (25), o Tribunal superior do Trabalho (TST) aceitou o pedido dos Correios e concedeu uma liminar, que determina que as federações representantes desses trabalhadores, garantam o efetivo mínimo de 80% dos funcionários de cada unidade. Em casos de irregularidades, a multa é de R$ 100 mil por dia.

Leia também: Banco Central: Contas externas fecharam agosto com deficit de US$ 302 milhões

Um estudo divulgado nesta terça-feira (26) evidenciou que 90,59% dos efetivos dos Correios do Brasil não aderiram a paralisação em alguma das unidades, o equivalente a 98.350 trabalhadores. Desse modo, nota-se que a determinação do TST ainda não está sendo acatada.

Nas unidades onde a paralização foi aderida, a empresa  tem promovido iniciativas que visam minimizar os prejuízos para a população. No último fim de semana (23 e 24), por exemplo, foram entregues aproximadamente 1,7 milhão de objetos postais, como correspondências e encomendas.  

Atendimento

Em todas as regiões brasileiras, a rede de atendimento está aberta e todos os serviços, incluindo Sedex e PAC permanecem funcionando. Serviços com hora marcada, como Sedex 10, Sedex 12, Sedex Hoje, Disque Coleta e Logística Reversa Domiciliária não estão disponíveis nas seguintes localidades: Alagoas; Bahia; Ceará; Distrito Federal; Espírito Santo; Goiás; Minas Gerais; Pará; Paraná; Paraíba; Piauí; Rio Grande do Sul e Santa Catarina, e em algumas cidades no interior de São Paulo e de Pernambuco.

Leia também: FGV: confiança da construção avança em setembro e atinge 77,5 pontos

O volume das atividades com hora marcada no que se diz respeito a esses destinos corresponde a 0,5% de todas as encomendas entregues pela empresa. A suspensão de seu funcionamento foi aprovado com o objetivo de redirecionar os recursos para os outros serviços, mais utilizados pelos clientes.

Proposta

Na última sexta-feira (22), os Correios e a Federação Interestadual dos Sindicatos dos Trabalhadores e Trabalhadoras dos Correios (Findect) chegaram a uma proposta de Acordo Coletivo de Trabalho para o biênio 2017/2018, referente ao reajuste de 3% nos salários, além de benefícios cocedidos a partir do mês de janeiro do ano que vem, juntamente da manutenção do ACT 2016/2017. A cláusula do plano de saúde continua sendo mediada pelo Tribunal Superior do Trabalho.

Vale mencionar que ainda nesta terça (26), a proposta será levada para as assembleias dos sindicados filiados à Federação Interestadual dos Sindicatos dos Trabalhadores e Trabalhadoras dos Correios (Findect). Atualmente, os Correios permanecem no aguardo dos resultados das assembleias.

Leia também: Vínculo de amizade afasta condenação de empresa por danos morais, mostra TST

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.

    Notícias Recomendadas