Tamanho do texto

Prefeitura da cidade informou, por meio de comunicado, que serviços prestados pela empresa estão em desacordo com as regras de Londres; veja

Brasil Econômico

Uber informou também em comunicado que vai aos tribunais londrino para reverter decisão da prefeitura
Divulgação
Uber informou também em comunicado que vai aos tribunais londrino para reverter decisão da prefeitura


O Uber, aplicativo de mobilidade, tem enfrentado grandes problemas nos países que está em atuação. Nesta sexta-feira (22), as autoridades que administram o sistema de transporte em Londres informaram que optaram por não renovar a licença de operação do aplicativo .

Leia também: Dia do Contador: cinco dicas para facilitar a rotina do profissional

A prefeitura de Londres afirmou que o Uber não é uma empresa prestadora de serviços "idônea e competente" para continuar ofertando transporte aos cidadãos londrinos. O anúncio foi feito por meio de um comunicado oficial. Com a decisão, o app de mobilidade tem autorização para prestação de seus serviços até o dia 30 deste mês.

O prefeito da cidade, Sadiq Khan, enfatizou que a administração apoia a decisão sobre a não renovação da concessão de atuação do aplicativo. “Todas as companhias em Londres precisam ter desempenho de acordo com as regras e aderir os elevados padrões que esperamos – particularmente quando se trata da segurança dos clientes”, enfatizou Khan por meio de nota oficial.

As autoridades locais basearam a decisão de não permitir a operação do app, pois questionam a conduta da empresa ao reportar crimes graves, além de questionar os motivos pelos quais o app usa um software que impede a regulamentação e o monitoramento da ferramenta. “Prestar serviços inovadores não deve ser feito às custas da segurança dos clientes”, completou o prefeito de Londres

Leia também: Consumidor já sente sinais de melhoria na economia, afirma diretor do BC

Crise

Também em nota, a empresa de tecnologia e mobilidade repudiou a decisão das autoridades e informou que se for preciso, recorrerá a meios legais para reverter à situação. “Se a decisão se mantiver, isso poderá colocar mais de 40 mil motoristas licenciados fora do trabalho e privar os londrinos de uma conveniente e acessível forma de transporte”, alegou a empresa.

No Brasil, escândalos envolvendo crimeses sexuais e agressões verbais a passageiros, tem manchado a reputação do aplicativo de mobilidade. Uma das estratégias do Uber para reverter a situação é lançando novos serviços, porém a concorrência tem aproveitado a crise de imagem para conquistar consumidores. 

Leia também: Black Friday também deverá beneficiar lojas virtuais pequenas, diz especialista

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.

    Notícias Recomendadas