Tamanho do texto

Entre os motivos da melhora do indicador está o crescimento da ocupação na informalidade e a redução dos ritmos de demissão dos empregos formais

Brasil Econômico

O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) divulgou na última quinta-feira (14) a Carta de Conjuntura e mostra melhora no mercado de trabalho no segundo trimestre. De acordo com a economista da instituição, Maria Andréia Parente, a piora no cenário está “estacionada” há dois meses.

Leia também: Trabalhadores usaram contas inativas do FGTS para pagar dívidas, diz FGV

Ipea: Todos os grupos mostraram melhora na comparação entre o segundo trimestre deste ano e o mesmo período do ano passado, com exceção dos mais jovens
shutterstock
Ipea: Todos os grupos mostraram melhora na comparação entre o segundo trimestre deste ano e o mesmo período do ano passado, com exceção dos mais jovens

Maria Andréia comenta que foi identificada uma queda na taxa de desocupação, paralelamente a um aumento da ocupação.  O último trimestre móvel, encerrado em julho, marcou variação positiva de 0,2% e é a primeira oscilação positiva em dois anos, diz Ipea .

Entre os motivos, está o aumento da ocupação no mercado informal e a redução do ritmo de demissão do mercado de emprego formal. A taxa de desemprego apurado no trimestre com fim em julho teve queda de 12,8%.

Além desses fatores, Maria Andréia diz que os rendimentos por vínculo de ocupação no mercado formal teve a maior alta, de 3,6%.

A Carta de Conjuntura aponta que a parcela dos inativos desalentados que achavam que não conseguiriam emprego foi de 44,7% no segundo trimestre, taxa 2,5% menor do que o observado no trimestre anterior, o que indica aumento da esperança ou confiança em alcançar uma vaga.

”Nesse momento, mais importante do que a intensidade, é a mudança de direção. A taxa de ocupação recua pouco, mas já recua. A ocupação cresce pouco, mas já cresce. O desalento cai pouco, mas cai. Vinha em uma trajetória crescente. Cada vez era maior o número de pessoas que saiam do mercado porque achavam que não tinham condições de conseguir um emprego. O desalento cai no segundo trimestre”, explicou.

Regiões

Em relação ao desemprego, a especialista diz que houve melhora nos indicadores de todo o País, entretanto cada Região tem alguns estados com comportamentos difusos. “O Rio de Janeiro é um dos poucos estados que não conseguem reduzir a taxa de desemprego, a cada trimestre vem nova alta do indicador”. A variação do Rio de Janeiro passou de 14,5% para 15,7%.

Não só nas regiões, mas o balanço elaborado pelo Ipea também mostra que o desemprego caiu em termos de gênero, escolaridade e os mais jovens. As pessoas mais novas economicamente ativas compõem a população com maior dificuldade de sair do desemprego e de conseguir reposicionamento no mercado.

De acordo com Maria Andréia, dos desempregados na faixa entre 18 e 24 anos, apenas 25% conseguiu um novo emprego no segundo trimestre. Entre 2012 e 2017, o percentual de trabalhadores dessas idades que foram dispensados cresceu de 5,3% para 7,3%. Vale destacar, que no segundo trimestre deste ano, o 65% das pessoas desocupadas tinham idade inferior a 40 anos.

Leia também: Home Office: tire dúvidas sobre a modalidade recém regulamentada

Salários

Em relação à remuneração todos os grupos mostraram melhora na comparação entre o segundo trimestre deste ano e o mesmo período do ano passado, com exceção dos mais jovens. “Na verdade, apresenta pequena queda de 0,5%. Enquanto que no caso dos maiores de 60 anos de idade, houve expansão de 14% no rendimento, com média de R$ 2.881”, diz Maria Andréia.

O balanço ainda mostra que as pessoas com maior qualificação recebem mais, com média registrada de R$ 4.889 no último trimestre. O valor é três vezes maior que o do trabalhador com ensino médio e 4,2 vezes mais que o empregado sem o ensino fundamental completo.

Leia também: Empreendedorismo: veja obstáculos que dificultam na concretização de ideias

Categorias

No último trimestre o setor da indústria gerou 12,3 mil novos postos com carteira assinada, enquanto que o comércio e serviços geraram respectivamente 10,2 mil e 7,7 mil.

A construção civil, por outro lado é uma exceção, diz Ipea, uma vez que há grande estoque de imóveis e à vacância também é significativa. A economista lembra que como o setor público tem poucos recursos para investir em obras a categoria vai demorar mais um pouco para apresentar melhorias.

*Com informações da Agência Brasil 

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.