Tamanho do texto

Jovens têm mais dificuldade para conseguir emprego e correm maiores riscos de demissão; além disso, possuem baixo nível de recolocação no mercado

Segmento dos jovens forma o maior grupo entre os que perderam o emprego nos últimos cinco anos
Divulgação
Segmento dos jovens forma o maior grupo entre os que perderam o emprego nos últimos cinco anos

A crise econômica atinge os jovens com maior intensidade, fazendo com que eles tenham maiores dificuldades para conseguir emprego. Além disso, são eles que correm os maiores riscos de demissão. As informações foram divulgadas nesta quinta-feira (14) pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).

Leia também: Projeto de recuperação judicial será enviado ao Congresso na próxima semana

Entre os meses de abril e junho deste ano, somente 25% dos desempregados com idade entre 18 e 24 anos foram recolocados no mercado, atingindo um nível bem abaixo do observado no início da pesquisa em 2012, de 37%. As análises publicadas no estudo do Ipea são feitas com base nos microdados extraídos da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnadc), divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Também foi destacado pelos pesquisadores que, entre os que perderam o emprego, o segmento dos mais jovens forma o grupo com maior perda percentual de ocupação. De 2012 a 2017, os trabalhadores com idade entre 18 e 24 anos que estavam ocupados e foram dispensados, passou de 5,2% para 7,2%.

“Os dados salariais revelam que, além de receber as menores remunerações, o grupo dos trabalhadores mais jovens apresenta queda de salário [de 0,5% na comparação com o mesmo período de 2016]. Na outra ponta, os empregados com mais de 60 anos elevaram em 14% seus ganhos salariais, na mesma base de comparação”, diz o documento.

Já entre os meses de abril a junho deste ano, enquanto os empregados com mais de 60 anos receberam, em média, R$ 2.881, aqueles com idade entre 18 e 24 anos obtiveram remuneração média de R$ 1.122. De acordo com o Ipea, no segundo trimestre, o país tinha aproximadamente 13,5 milhões de desocupados, entre os quais 65% com idade inferior a 40 anos.

Melhora no setor formal

O documento também indica que, embora ainda apresentem um cenário ruim, os dados mais recentes da Pnadc mensal sinalizam melhora no mercado de trabalho brasileiro. No trimestre móvel de maio a julho de 2017, a taxa de desemprego no país ficou em 12,8%, apresentando a quarta queda consecutiva.

“De um modo geral, a melhora recente da ocupação é decorrente tanto de um aumento no número de pessoas que conseguiram uma vaga no mercado de trabalho quanto de uma queda do número de ocupados que perderam os seus empregos”, afirmam os pesquisadores.

Considerando o segundo trimestre deste ano, 31,7% dos trabalhadores que estavam desocupados no trimestre anterior conseguiram voltar ao mercado de trabalho. Isso representa uma expansão de quase 3 pontos percentuais quando comparada ao observado no mesmo trimestre de 2016. Na outra ponta, o percentual de pessoas que ficaram desempregadas recuou de 3,6% no segundo trimestre do ano passado para 3,4% no mesmo período de 2017.

“A melhora do mercado de trabalho no segundo trimestre de 2017 foi decorrente de um maior dinamismo do mercado informal, que, sozinho. respondeu por 1 milhão de um total de 1,3 milhão de trabalhadores incorporados à população ocupada. De fato, dentre os trabalhadores que estavam desempregados e conseguiram nova ocupação, 43% foram incorporados pelo mercado informal, 28% obtiveram uma vaga formal, 28% se tornaram conta própria e 1% viraram empregadores”, indica o estudo do Ipea.

Apesar disso, os pesquisadores fazem questão de ressaltar que, se por um lado o mercado de trabalho formal vem perdendo o dinamismo ao longo dos últimos trimestres no que se refere à criação de vagas, por outro, ele vem reduzindo o ritmo de demissões e expandindo seus rendimentos a taxas superiores às dos demais.

Leia também: Bovespa recua 0,19%, após bater três recordes consecutivos na semana

No período entre abril e junho passado, de todos os trabalhadores que foram demitidos, 32% estavam empregados no mercado formal, percentual este que é 10 pontos percentuais menor que o observado há dois anos. Adicionalmente, a alta de 3,6% dos salários pagos pelo setor privado com carteira assinada é maior que a dos informais, que teve queda de 2,9%, e a dos trabalhadores por conta própria, que recuou 1,2%.

Em relação ao setor informal, é possível observar uma estabilidade ao longo do tempo – 38% desses trabalhadores perdem o emprego a cada trimestre –, sinalizando que o setor informal recebeu o maior número de desempregados.

“Em termos agregados, o mercado formal continua sendo o principal empregador do país, com um contingente ocupado de 44 milhões de trabalhadores, o que corresponde a 49% de toda a ocupação. Em relação às demais categorias, observa-se que ao longo dos últimos anos, vem crescendo o número de trabalhadores por “conta própria”, enquanto o contingente de empregados no mercado formal mantém-se estável. Como consequência, a participação relativa dos trabalhadores informais no total da ocupação recuou 2 pontos percentuais entre 2012 e 2017 – de 23% para 21%, e a do “conta própria” avançou de 22% para 25%”, explicam os pesquisadores.

Expectativas

Ainda de acordo com a publicação, a expectativa para os próximos meses é de que a taxa de desemprego continue sendo reduzida de maneira lenta, com a retomada gradual do crescimento da economia. “No entanto, a queda do desalento pode exercer pressões adicionais sobre a PEA [População Economicamente Ativa], impedindo um recuo da taxa de desemprego mesmo em um cenário de expansão da ocupação”, diz o documento.

A entrada de um maior número de pessoas na PEA impediu que a redução da taxa de desemprego,que está em 12,8%, fosse ainda mais mais elevada. A participação de trabalhadores no PEA teve uma alta de 1,6% no trimestre encerrado em julho.

Segundo o Ipea, a parcela dos inativos desalentados, que achavam que não conseguiriam emprego, foi de 44,7% no segundo trimestre. Esse número é 2,5% menor que o registrado no trimestre anterior, o que indica aumento da confiança em alcançar uma vaga.

Atividade econômica

O Brasil registrou o segundo mês seguido de crescimento na atividade econômica. De acordo com dados também divulgados nesta quinta-feira, o Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) dessazonalizado (ajustado para o período) cresceu 0,41% no mês de julho.

Durante o período, o crescimento ficou em 0,55%, depois da retração de 0,28% em maio, segundo os dados revisados. Na comparação com julho de 2016, o crescimento chegou a 2,65% (sem ajuste para o período). Já nos 12 meses encerrados em julho, o indicador tem retração de 1,44%. No ano, até julho, houve crescimento de 0,14%.

Leia também: Brasileiro pagou R$ 1,5 trilhão em impostos este ano, indica Impostômetro

Salários

No que diz respeito aos salários, os pesquisadores afirmam que as perspectivas são de continuidade de aumento dos rendimentos, principalmente em um cenário de inflação baixa. “Dessa forma, a tendência é que a massa salarial real continue a acelerar, contribuindo positivamente para a continuidade da retomada do crescimento do consumo das famílias”, finaliza a análise do Ipea.

*Com informações da Agência Brasil

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.

    Notícias Recomendadas