Tamanho do texto

Segundo levantamento da Fiesp, indústria de São Paulo fechou 2,5 mil postos de trabalho em agosto; comparação com agosto de 2016 tem queda de 3,27%

Brasil Econômico

O nível de emprego na indústria paulista apresentou em agosto. De acordo com pesquisa divulgada nesta segunda (11) pela Federação das Indústrias do Estado de São Paulo ( Fiesp ), o índice registrou queda de 0,11% na comparação com julho, o equivalente à sua quarta retração seguida. O resultado representa o fechamento de 2,5 mil postos de trabalho. Na comparação com o mesmo período do ano passado, a queda é ainda maior, ficando em 3,27%.

Leia também: Brasil entrará em 2018 com ritmo de crescimento maior, diz Henrique Meirelles

No acumulado para janeiro e agosto, no entanto, o saldo de geração de emprego na indústria do estado de São Paulo é positivo, com 5,5 mil novas vagas, o que representa um crescimento de 0,26% em relação a igual período do ano passado. Para o diretor do Departamento de Pesquisas Econômicas da Fiesp, Paulo Francin, o resultado indica estabilidade no nível de emprego no setor industrial.

Dos 22 setores da indústria analisados por levantamento da Fiesp em agosto, 14 registraram saldo negativo
shutterstock
Dos 22 setores da indústria analisados por levantamento da Fiesp em agosto, 14 registraram saldo negativo

Leia também: Desigualdade de renda no Brasil não caiu entre 2001 e 2015, diz estudo

"A produção industrial mostra recuperação, apesar de ainda não ser vigorosa, é contínua, refletindo na manutenção dos postos de trabalho", diz Francin. Na visão do economista, pode levar um tempo para as empresas voltem a fazer contratações de modo a que o nível de emprego volte a crescer. "A geração de novos empregos é a última variável a reagir. Ainda temos muita capacidade ociosa, o que deve levar as empresas a resistir a novas contratações por um tempo".

Dos 22 setores analisados pelo levantamento da Fiesp, 14 registraram saldo negativo. Outros qustro apresentaram crescimento e quatro ficaram estáveis. A maior expansão na quantidade de empregos foi do setor de alimentos , que gerou 1.060 novas vagas, um crescimento de 0,26% na comparação com julho. No acumulado do ano, o ramo alimentício tem alta de 3,31% no número de postos de trabalho.

Leia também: Economistas aumentam projeção do PIB para 0,60% este ano

O maior fechamento de vagas na indústria ocorreu no setor de  veículos automotores , reboque e carroceria, com corte de 1.171 postos, o equivalente a uma retração de 0,52%. Nos primeiros oito meses de 2017, o ramo acumula redução de 1,18% no nível de emprego. Já o setor de confecção e artigos de vestuário perdeu 708 vagas em agosto (-0,48%). No acumulado do ano, o ramo tem queda de 0,14% no número de postos de trabalho.

* Com informações da Agência Brasil.

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.