Tamanho do texto

Segundo o indicador Serasa Experian, houve uma alta de 7,5% nas fraudes, com aproximadamente 900 mil tentativas no primeiro semestre deste ano

Brasil Econômico

Veja como se proteger de fraudes e golpes no setor bancário e na internet
iStock
Veja como se proteger de fraudes e golpes no setor bancário e na internet

O Seresa Experian divulgou nesta segunda-feira (11) os resultados do Indicador Serasa Experian de Tentativas de Fraudes, referente a fraudes e golpes contra o consumidor. De acordo com o indicador, cerca de 950.632 tentativas de fraudes foram registradas no primeiro semestre deste ano, o que representa uma tentativa a cada 16,5 segundos . No que se diz respeito ao igual período do ano passado, houve 884.105 tentativas, o que evidencia um crescimento de 7,5%.

Leia também: 13º salário: cálculo, descontos e demissão; tire dúvidas sobre o abono anual

A alta de 31,2% nos golpes aplicados contra o cidadão no setor bancário e financeiro foi apontada como a principal contribuinte para o aumenta geral na tentativa de fraudes e golpes  no semestre pesquisado pelo indicador. Os setores de serviços e telefonia também apresentaram crescimento de respectivamente, 5,8% e 1%. O varejo e os demais segmentos caminharam em sentido oposto, registrando quedas no período.  

Mesmo com o maior acréscimo partindo do setor de bancos e financeiras, o segmento de telefonia foi o que mais obteve tentativas entre janeiro e junho deste ano, com 366.188 no total e com participação de 38,5%. Neste tipo de golpe, as informações dos consumidores são usadas para abertura de contas de celulares ou para a compra de aparelhos.

A fraude bem sucedida no segmento de telefonia funciona como uma espécie de “porta de entrada” para os criminosos aplicarem golpes maiores e em outros setores econômicos. Com isso, os golpistas costumam comprar telefones para adquirirem um comprovante de residência, para que consigam abrir contas em bancos, pegar talões de cheque, pedir cartões de crédito e fazer empréstimos bancários em nome de terceiros.

O setor de serviços aparece em seguida, como um dos que mais possuem tentativas de fraude identificadas no primeiro semestre do ano, com 285.830, o que representa 30,1% do total. Os bancos e financeiras, com 23,8% de participação e 226.280 tentativas ocupam o terceiro lugar do ranking. O quarto setor mais afetado pelas tentativas foi o varejo, com 57.451 e 6% de participação. Os demais segmentos representam 1,6% do total.

Segundo a gerente do SerasaConsumidor, Carolina Aragão, depois de um período de forte  recessão econômica, o consumidor tem retornado aos poucos ao mercado de crédito, criando oportunidades para os fraudadores, já que consideram esses períodos como boas brechas para aplicação de golpes. O Indicador Serasa Experian da Demanda do Consumidor por Crédito apontou uma alta de 2,1% no primeiro semestre deste ano, se comprado com o mesmo período do ano anterior.

Em junho deste ano, aproximadamente 168.388 tentativas de fraude foram registradas em todos os segmentos, o que mostra um aumento de 2,1% em comparação a maio do mesmo ano, quando o indicador atingiu 164.988 tentativas. Se levado em consideração os meses de julho de 2017 e 2016, as tentativas subiram 12,5%.

Principais tentativas de golpe

  • Compra de celulares com documentos falsos ou roubados;
  • Emissão de cartões de crédito, onde o fraudador pede um cartão de crédito utilizando uma identificação falsa ou roubada, o que deixa a conta para a vítima e o prejuízo para o emissor do cartão;
  • Financiamento de eletrônicos no varejo, onde o golpista faz a compra usando uma identificação falsa, deixando a conta para a vítima pagar;
  • Abertura de conta: o criminoso abre uma conta em um banco usando uma identificação falsa ou roubada, e deixando a conta para a vítima. Assim, toda a “cadeia” de produtos oferecidos, como cartões, cheques, empréstimos pré-aprovados aumenta o possível prejuízo às vítimas, aos bancos e ao comércio;
  • Compra de automóveis, onde o golpista compra o automóvel também utilizando uma identificação falsa ou roubada e deixando a conta para a vítima;
  • Abertura de empresas, onde os dados roubados ainda podem ser usados na abertura de empresas, que serviriam de ‘fachada’ para a aplicação de golpes no mercado.

Como evitar?

A fraude de identidade ocorre quando as informações pessoais do consumidor são utilizadas por outras pessoas para o firmamento de negócios sob falsidade ideológica ou para a obtenção de crédito sem a intenção de honrar os pagamentos. Segundo levantamentos realizados pelo Serasa, perder um documento pessoal pode duplicar o risco de o cidadão sofrer golpes.  

Leia também: Quatro dicas para usar o cheque especial sem se endividar

Aqueles que tiveram seus documentos extraviados devem efetuar um cadastro de alerta na  plataforma do SerasaConsumidor, além de fazerem um Boletim de Ocorrência (B.O.). Com a realização do registro, o cidadão poderá reduzir o risco e evitar novas dores de cabeça relacionadas aos seus dados pessoais nas mãos de fraudadores.

Com o alerta, o SerasaConsumidor é possibilitado a avisar às empresas que consultam seus produtos sobre a perda ou roubo do documento, assim que o mesmo for utilizado para a abertura de conta em bancos, compra de bens e serviços, pagamentos, entre outras ações. Desse modo, antes mesmo de realizar a compra, por exemplo, as empresas poderão se prevenir, com a solicitação de outros documentos que comprovem a identidade.

Dicas preventivas

Confira abaixo 10 dicas que podem auxiliar na proteção contra golpes no mundo físico e virtual:

1- Mantenha-se atento a seus documentos de identificação. Não os perca de vista quando solicitados para protocolos de ingresso em diferentes locais ou quaisquer negócios. Também não permita que atendentes de lojas e outros estabelecimentos levem seus cartões bancários para longe de sua presença, mesmo que justifiquem que o ato é para a efetuação de pagamento;

2- Tome cuidado ao digitar a senha do cartão de débito ou crédito no momento em que for realizar pagamentos, principalmente se estiver na presença de muitos desconhecidos;

3- Não informe os números dos seus documentos para o preenchimento de cupons de sorteios ou promoções de lojas;

4- Se atente aos detalhes. Ao acessar um site, procure verificar se o mesmo possui certificado de segurança, checando se o http do endereço vem acompanhado de um “s” no final (https). Há também certificados que ativam um destaque em verde na barra do navegador;

5- Não se cadastre em endereços eletrônicos que não sejam de confiança;

6- Tome cuidado com sites que costumam anunciar ofertas de emprego ou de produtos com diferenciações e preços totalmente divergentes do mercado;

7- Não compartilhe informações pessoais nas redes sociais. Isso pode ajudar os golpistas a se passarem por você;

8- Evite fazer qualquer tipo de transação financeira por meio de computadores conectados em redes públicas de internet;

9- Ao utilizar essas máquinas compartilhadas, busque sempre verificar se finalizou seus acessos no sistema, fazendo logoff de todas as suas contas;

10- Mantenha o antivírus do seu computador sempre atualizado. Tal feito reduz os riscos de fraudes e golpes e evita a falsificação de identidade.

Leia também: Inadimplência: veja as sete causas que mais levam a esse problema

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.

    Notícias Recomendadas