Tamanho do texto

"RBU é uma forma fácil de providenciar o básico às pessoas. Você pode fornecer serviços sociais como saúde e educação por meio do mercado”

Brasil Econômico

Até muito recentemente, a maioria das pessoas não tinha ouvido falar sobre a Renda Básica Universal (RBU). Embora a ideia não seja inteiramente nova, seu significado foi explorado ultimamente devido a problemas de deslocamento de trabalho, e espera-se que a automatização inteligente resolva isso. Assim sendo, a RBU foi endossada por especialistas de várias indústrias por várias indústrias, incluindo figuras importantes do Vale do Silício. Agora, alguns dos melhores economistas do mundo estão apoiando também.

Leia também: Veja as 20 empresas com os melhores salários para trainees

“A Renda Básica Universal é uma forma fácil de providenciar as necessidades básicas às pessoas
shutterstock
“A Renda Básica Universal é uma forma fácil de providenciar as necessidades básicas às pessoas", diz especialista

Em uma mesa redonda na 6ª reunião da Lindau sobre ciências econômicas em junho, vencedores do Prêmio de Ciências Econômicas em Memória de Alfred Nobel – mais conhecido como “Prêmio Nobel de Economia – endossaram a Renda Básica Universal como uma solução para a desigualdade trazida pela globalização e automação.

“Não devemos tentar lidar com a desigualdade interrompendo esses processos globais, porque, na verdade, eles têm a capacidade de trazer mais prosperidade para o mundo", apontou Chris Pissarides. “Devemos acolher a expansão do comércio e a abertura da Índia e da África, e melhorar a P&D – Pesquisa e desenvolvimento – para levar a robótica à produção. Afinal, se não há empregos suficientes para todos nós, podemos ter mais tempo de lazer. Estamos envelhecendo, para que possamos nos sentir à vontade, que as máquinas façam mais o trabalho que os seres humanos atualmente fazem”.

Leia também: Ação que fomenta o empreendedorismo passará por diferentes regiões do Brasil

Os básicos da RBU

Basta implementar. O programa da RBU permite que as pessoas recebam renda fixa independente das circunstâncias – emprego, classe social, etc. Além de ajudar potencialmente as pessoas a lidarem com a automação, aqueles que favorecem a RBU também a veem como uma alternativa aos programas de assistência social. Outros consideram a medida como algo que poderia tornar as pessoas preguiçosas e relutantes em trabalhar adequadamente.

Chris avalia que este não é o caso. “A RBU é uma forma fácil de providenciar as necessidades básicas para a vida. Então você pode fornecer serviços sociais como saúde e educação por meio do mercado”, explicou. “O estado poderia subsidiar os salários nessas indústrias, ou empregar pessoas diretamente em rendimentos razoáveis ​​que, de outro modo, estariam desempregados. Em vez de fornecer pessoas com serviços estatais, você pode confiar nas pessoas para decidir por si como gastar seu dinheiro”.

Atualmente, vários países e até instituições privadas já estão conduzindo testes de Renda Básica Universal. Liderando o grupo estão: a Finlândia, Canadá e nos Estados Unidos, Havaí. Esses testes são necessários para descobrir detalhes que acompanham a implementação de um programa de renda básica em uma escala maior.

Leia também: Indústria tem alta de produção em sete dos 14 locais de pesquisa, diz IBGE

*Com tradução de futurism.com

    Leia tudo sobre: inovação

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.