Tamanho do texto

Mesmo com o resultado positivo no período, no acumulado dos últimos quatro trimestres o indicador continua negativo, com retração de 1,4%; veja

Brasil Econômico

PIB tem resultado positivo no segundo trimestre, porém mostra recuperação lenta do crescimento econômico brasileiro
shutterstock
PIB tem resultado positivo no segundo trimestre, porém mostra recuperação lenta do crescimento econômico brasileiro


Balanço divulgado nesta sexta-feira (1º) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) apurou que o Produto Interno Bruto (PIB) teve alta de 0,2% no segundo trimestre de ano, ao se comparar com o primeiro. Já em comparação com o mesmo período de 2016, a alta do indicador foi de 0,3%. Em valores correntes, o crescimento econômico alcançou R$ 1,639 trilhão no País.

Leia também: Para cumprir meta fiscal antiga, Orçamento de 2018 reduz despesas em R$ 18,5 bi

Foi a primeira alta após 12 trimestres  consecutivos de queda. O IBGE apontou que a última vez que a taxa de crescimento econômico do Brasil ficou positiva nesta base de comparação foi no primeiro trimestre de 2014, quando cresceu 3,5%.Por mais que o indicador tenha apresentado alta no período, no acumulado dos quatro trimestres anteriores, o PIB apresentou retração na ordem de 1,4%.

No primeiro semestre de 2017, o crescimento econômico apresentou variação nula em relação ao primeiro semestre de 2016, após uma queda de 2,7% em igual semestre de 2016. Dados do IBGE apontam que o setor agropecuário ajudou no resultado positivo, tanto que na comparação com os segundo trimestre de 2016 teve alta superior a 14%.

Setores

Entretanto, na comparação com o primeiro trimestre do ano o indicador do agronegócio não apresentou crescimento, tendo variação nula. O crescimento apurado na comparação anual pode ser explicado pelo bom desempenho de alguns produtos, que tiveram safra com bom desempenho produtivo no segundo trimestre.

Leia também: Petrobras aumenta preço da gasolina em refinarias em 4,2% a partir de sexta

O segmento de serviços também apresentou variação positiva ao crescer 0,6% no período analisado pelo IBGE. Em contrapartida aparece o setor da indústria, que teve queda de 0,5%. Na indústria , houve queda de 2,0% na construção e de 1,3% na atividade de eletricidade e gás, água, esgoto e limpeza urbana. A extrativa mineral variou 0,4% e a indústria de transformação manteve-se praticamente estável (0,1%).

Nos serviços , tiveram resultado positivo: comércio (1,9%), atividades imobiliárias e outros serviços (0,8%) e atividade de transporte, armazenagem e correio (0,6%). Os serviços de informação caíram 2,0% e as atividades de administração, saúde e educação pública (-0,3%) e de intermediação financeira e seguros (-0,2%) registraram variações negativas.

Pela ótica da despesa, o Consumo das Famílias voltou a crescer após nove trimestres, com expansão de 1,4%. Já o Consumo do Governo (-0,9%) e a Formação Bruta de Capital Fixo   (-0,7%) registraram queda. No setor externo, as Exportações de Bens e Serviços registraram variação positiva de 0,5%, enquanto que as Importações de Bens e Serviços caíram 3,5% em relação ao primeiro trimestre de 2017.

Mesmo com os resultados positivos no segundo trimestre que ajudaram na alta do PIB, a coordenadora de Contas Nacionais do IBGE, Rebeca de La Rocque Pali, afirmou ser cedo para dizer que o País saiu da recessão econômica. “Estamos num ciclo ascendente da economia. Mas ainda não dá para chamar de recuperação”.

Leia também: Kassab diz que reestruturação dos Correios está em discussão no governo

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.

    Notícias Recomendadas