Tamanho do texto

Oi entrou em processo de recuperação judicial em junho do ano passado; na época, a empresa havia informado que tinha R$ 65,4 bilhões com credores

Até agora não há perspectiva concreta de superação dos problemas da Oi, pois não há plano sustentável das operações
Reprodução
Até agora não há perspectiva concreta de superação dos problemas da Oi, pois não há plano sustentável das operações

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) informou que vai discutir a abertura de processos de caducidade das concessões e de cassação das autorizações do Grupo Oi . A medida foi proposta pelo conselheiro Igor de Freitas, o coordenador do Núcleo de Ações, e será analisada pelo conselho diretor da agência.

Leia também: Para Meirelles, 2018 será de economia em "ritmo forte e mais intenso"

A Oi entrou em recuperação judicial em junho do ano passado. Na época, informou que tinha R$ 65,4 bilhões com credores. Caso a abertura dos processos seja aprovada pelo conselho da Anatel , eles serão instaurados e a empresa poderá demonstrar a viabilidade de seu plano de recuperação e apresentar sua defesa em relação às demais questões tratadas.

“O cenário de um desfecho desfavorável para o processo de recuperação judicial passa a ser considerado com maior probabilidade e, portanto, isso requer providências imediatas, considerando-se as consequências negativas que disso pode advir para a sociedade e para a economia brasileiras”, informou a agência por meio de nota divulgada na última quinta-feira (31).

De acordo com a agência, depois de 14 meses do ajuizamento da recuperação judicial e com a assembleia de credores marcada para o próximo dia 9 de outubro, até agora não há perspectiva concreta de superação dos problemas da empresa, pois não há um plano que garanta a sustentabilidade das operações a médio e longo prazos.

Leia também: Consumo das famílias cresce 1,4% e se recupera após nove trimestres

A agência ainda informou que a legislação prevê a possibilidade de extinção das outorgas de concessões e autorizações em condições específicas, como em caso de falência da concessionária ou perda de condições econômico-financeiras para a prestação dos serviços. O que a agência estuda agora é a conveniência de se antecipar essa extinção, mesmo antes que ocorra a falência de fato da empresa.

Ainda segundo a nota divulgada pela agência, isso “se dá a bem do interesse público, consubstanciado, dentre outros aspectos, na preservação dos bens reversíveis, vinculados à concessão, e na exploração do espectro de radiofrequências utilizado pela empresa”, diz a nota, ressaltando que os conjuntos de bens e direitos da Oi não poderão ser transferidos a outra empresa enquanto não se encerrar o processo administrativo de caducidade ou a cassação das outorgas venham a ser decretadas.

A importância dos serviços prestados pela Oi em telefonia celular e acesso à internet são reconhecidas pela agência, que também ressalta que a União tem obrigação legal de garantir a prestação do serviço de telefonia fixa.

Leia também: Juros altos são obstáculos na tomada de crédito de micro e pequenas empresas

“Todos os esforços devem ser envidados no sentido de se evitar sua interrupção ou sua perda de qualidade. Deve-se ressaltar que interrupções graves na rede da Oi podem afetar intensamente as demais empresas do setor. Além disso, é necessário observar que, em algumas centenas de municípios, a Oi é a única prestadora de serviços de telefonia fixa ou celular”, disse a Anatel.

*Com informações da Agência Brasil

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.

    Notícias Recomendadas