Tamanho do texto

Decreto entra em vigor nesta terça-feira (29) e governo de Michel Temer espera arrecadar R$ 2,6 bilhões aos cofres com o congelamento do programa

Brasil Econômico

Michel Temer assinou decreto que revoga parte do benefício do Reintegra ao exportador
Alan Santos/PR - 23.8.17
Michel Temer assinou decreto que revoga parte do benefício do Reintegra ao exportador


Decreto assinado pelo presidente da República, Michel Temer, restringiu o benefício de dedução de imposto a exportador, medida essa que estava prevista ao setor em 2018.  Publicado nesta terça-feira (29) no Diário Oficial da União, o decreto manteve em 2% a alíquota de dedução do programa Reintegra.

Leia também: Volume de vendas do varejo paulista tem saldo positivo após 30 meses

Com o Reintegra, o exportador recebe do governo a devolução de parte do faturamento das exportações de bens manufaturados como compensação por impostos indiretos cobrados na cadeia de produtos industrializados.

Antes do decreto revogando o benefício , os exportadores teriam direito a dedução de 3% nos impostos a partir do ano que vem. Porém, o valor foi mantido em 2%.  A decisão faz parte das medidas que foram anunciadas pela equipe econômica do governo de Temer, que visam evitar um novo aumento na meta do deficit fiscal. Ao manter o valor da dedução, o governo estima economizar e trazer aos cofres públicos R$ 2,6 bilhões com o congelamento da alíquota do Reintegra. 

Leia também: Aposentados por invalidez começam a ser convocados para perícia médica

Reivindicações 

Na semana passada, o presidente Michel Temer chegou a afirmar a intenção de conversar com a área econômica sobre essa decisão de manter a alíquota, porém decidiu por manter os esforços no controle das contas públicas. “As dificuldades atuais são muitas e a primeira ideia era eliminar os 2%, e a ideia que permaneceu foi de manter nos 2%. Mas, ainda agora, conversando com os dirigentes do setor do aço, estamos ajustando uma conversa de todos com a área econômica do governo para verificar ainda se é possível uma modificação em face de tudo aqui que foi dito”, disse o presidente durante a abertura do 28º Congresso Aço Brasil, em Brasília.

Na data, o presidente do Conselho Diretor do Aço Brasil, Alexandre de Campos Lyra, convocou o setor para unir esforços e pedir ao governo que o Reintegram passasse de 2% para 5%. Lyra informou que esse aumento de dedução ajudaria na recuperação do setor exportador de aço do País. "Todos concordamos que a recuperação do mercado interno é um processo lento. Por isso, a elevação da alíquota do Reintegra de 2% para 5% é essencial para promover a competitividade", afirmou.

*Com informações da Agência Brasil

Leia também: FGV: confiança da indústria avança em agosto e atinge 92,2 pontos