Tamanho do texto

Não se esqueça da divulgação. Ter um plano de orçamento de tempo e dinheiro é um detalhe simples, mas que vai fazer o seu site sair da bolha

Brasil Econômico

Embora o planejamento de um negócio pareça um passo óbvio e trabalhoso, pensar nos detalhes desde o início pode ajudar muito, principalmente no e-commerce.

Leia também: Confira quatro erros comuns no e-commerce que incomodam os consumidores

E-commerce: taxa de entrega não é, e nem deve ser  o centro do lucro do negócio, portanto, o preço deve ser razoável
shutterstock
E-commerce: taxa de entrega não é, e nem deve ser o centro do lucro do negócio, portanto, o preço deve ser razoável

“Se esta for sua primeira experiência com e-commerce , você não quer perder seu valioso tempo e dinheiro em ferramentas e tarefas que não irão fazer a sua loja funcionar da forma mais rápida, eficiente e econômica possível”, diz o diretor de produtos da GoDaddy, plataforma de cloud, Cristiano Mendes.

Com isso, o especialista aponta 12 dicas para ajudar a planejar sua loja online :

1.     Certifique-se de que seu produto ou serviço faz parte de um nicho

Não subestime o poder do nicho. Mendes concorda plenamente que as melhores ideias são frutos de passatempos, interesses e paixões, em que o empresário teve um insight que ninguém mais teve, simplesmente porque ninguém mais estava presente no nicho.

2.     Pesquise sua concorrência

Descobriu o nicho? Faça agora uma busca online com duas ou três palavras-chave ou frases que seus clientes-alvo provavelmente usarão para encontrar os tipos de produtos ou serviços que você pretende oferecer. Liste as páginas que fazem o mesmo.

Caso os números sejam muito altos, isso é um sinal de que o nicho deve ser ainda mais estreitado e planeje ser um empresário mais competitivo – com maiores custos de verba e tempo.

Identifique o que há de melhor nos seus concorrentes, e principalmente: preste atenção se há uma abertura para fazer algo em relação a isso de forma única ou diferente.

3.     Crie seu perfil de precificação

Você consegue ser competitivo e ainda obter lucro depois de levar tudo em consideração? Para o especialista, o empresário deve incluir todos os custos para extrair a resposta: Certificado SSL, hospedagem, plataforma, domínio, e-mail, temas, plugins, extensões, complementos de módulos, taxas mensais, gateways de pagamento, taxas de processamento de cartão de crédito, publicidade, inventário, material de embalagem, etc.

4.     Desenhe seu programa de envio

Ter cuidado com o envio de entrega dos produtos pode ajudar – e muito – a plataforma ou quebrá-la de vez. Ao se preparar para abrir uma e-commerce, pergunte a si:

I. Quais opções de transportadora você vai oferecer?

II. O produto será enviado de acordo com o peso e a localização, ou sua loja oferecerá taxa fixa?

III. E quanto a uma taxa de manuseio?

IV. A entrega será global?

V. Se sim, quais procedimentos e políticas alfandegárias você precisa considerar?

Mendes ressalta que o a taxa de entrega não é o centro do lucro e deve ser razoável. “A percepção de tarifas de transporte excessivamente elevadas é uma das principais razões pelas quais os clientes abandonam seus carrinhos de compras”.

Além disso, há ferramentas disponíveis no mercado online que possuem opções de métodos de envio embutido, ou permitem que você adicione rapidamente suas preferências - desde o transporte gratuito até a transportadora em tempo real e calculado.

Leia também: Somente mulheres: aplicativo dedicado à passageiras desponta no País

5.     Defina sua política de devolução

Deve ser claro, detalhado e prático. Para que, quando surgir um retorno, seu cliente saiba facilmente os critérios desta medida.

6.     Crie sua política de privacidade

Para ter uma boa relação de confiança, é necessário que a plataforma tenha uma política transparente com o que você faz com as informações do cliente. A honestidade nesse ponto é essencial, com isso, a indicação do gerenciamento desses dados, como a distribuição e uso dessas informações é um belo ponto positivo.

7.     Reforce sua política de segurança

Além do item seis, há a política de segurança, que deve explicar o que você faz – detalhadamente – para proteger informações referentes aos pagamentos. Explique por quê você está em servidores seguros com SSL. “Você é protegido por um serviço de verificação de terceiros? Quanto mais informações você puder fornecer, melhor para passar a confiança que seus clientes precisam para que eles compartilhem seus dados sensíveis com você”,  enfatiza Mendes.

8.     Garanta fotos dos produtos

Detalhes visuais fazem toda a diferença, ainda mais quando se trata de vendas online. Pesquise técnicas e recursos para aprender a tirar boas fotos. Os fornecedores também são uma boa fonte de fotos, verifique se eles disponibilizam o material.

9.     Escreva as descrições dos produtos

Não se limite a descrições genéricas, e nem as que são iguais às dos concorrentes, que vendem a mesma mercadoria que você. Detalhes como tamanhos, cores, dimensões são necessários, assim como bons trocadilhos de marketing, que fazem o cliente em potencial perceber que precisam, querem e devem ter esse item em mãos.

A organização de entrada e saída de produtos será feito por você mesmo? Se uma planilha não é o seu forte, terceirizar esse serviço pode ser a melhor solução para ajudar no gerenciamento do e-commerce, recomenda o especialista.

10.   Desenvolva um plano de marketing e orçamento

Não se esqueça da divulgação. Ter um plano de orçamento de tempo e dinheiro  é algo simples e que vai fazer o seu site ir para o lado de fora. Tenha em mente que não se trata apenas construir a plataforma que os clientes virão. No mundo online, você terá sorte se os clientes chegarem até você desta forma.

O investimento em alguma estratégia de marketing pode ser a forma mais efetiva de levar muitos clientes ao seu site.

Cristiano Mendes lembra que campanhas de pagamento por clique são executadas desde algumas centenas a milhares de reais por mês, dependendo, é claro, da competitividade do seu mercado. Além disso, campanhas de publicidade paga em mecanismos de busca e redes sociais também exigem um bom tempo para testar e harmonizar.

11.   Crie um plano de ação de atendimento ao cliente

Como empreendedor de um comércio online, saiba que a sua rotina deverá ter um tempo para impressão, processamento e embalagem de pedido. Ter um tempo para esclarecer dúvidas dos clientes por e-mail, atualização de status do pedido e a inserção dos detalhes de envio. Mendes citou alguns detalhes que você pode considerar antes de abrir uma loja online:

I. Como você vai mandar aos clientes a confirmação de envio desejada? Começar com um modelo de e-mail com antecedência pode economizar tempo mais pra frente;

II. Como você vai lidar com perguntas ao telefone? Você terá uma linha telefônica comercial separada?

12.   Investigue opções de pagamento

Há algumas plataformas que oferecem soluções de pagamento integrado. Considere as seguintes questões:

I. Você tem uma conta comercial para aceitar cartões de crédito?

II. Quais formas de pagamento você aceita? Cartões de crédito, cheques pessoais, transferências bancárias, ordens de pagamento?

III. É o Mercado Pago ou PayPal?

IV. Você tem um gateway de pagamento para verificar, aprovar e processar cobranças em tempo real?

Enfim, planeje-se para o sucesso. “Faça um grande favor a seu negócio a longo prazo e comece a criar e abrir seu próprio e-commerce depois de passar pelas questões acima”. Para concluir, Cristiano Mendes, aponta que ter esses pontos resolvidos pode ajudar o empreendedor a revisar os recursos, temas, plugins e plataformas para identificar quais funcionam ou não.

Leia também: Negócios: Veja como a crise ajudou a empresa de Shirleyson Kaiser

    Leia tudo sobre: empreendedorismo