Tamanho do texto

A equipe pretende testar a tecnologia em uma rede de três links, com distâncias mais longas, cada uma com link a cerca de 5,6 quilômetros

Pesquisadores canadenses enviaram a primeira mensagem criptografada de alta dimensão, por meio do ar e acima de uma cidade. Com o experimento, houve um aumento na possibilidade de a comunicação quântica de espaço livre de alta capacidade ser segura e prática, permitindo uma rede quântica global .

Leia também: Microsoft lança Brainwave: hardware para impulsionar inteligência artificial

No experimento de comunicação quântica , os estudiosos enviaram uma mensagem com mais de um bit de informação. O sucesso animou os pesquisadores, que acreditam na viabilidade de satélites e Terra interagirem por meio uma rede criptografada quântica mundial.

Na demonstração, a criptografia quântica 4D foi utilizada para transmitir dados através de uma rede óptica de espaço livre entre dois edifícios, localizados na  Universidade de Ottawa, ficando a 0,3 quilômetros de distância. O esquema de criptografia de alta dimensão é descrito como "4D" por conta de sua alta capacidade de enviar mais informações, com a codificação de dois bits. Isso significa que cada fóton possui quatro possibilidades: 00, 01, 10 ou 11.

Comunicação quântica é aplicada pela primeira vez em território real, em Ottawa
Reprodução/SQO Team, University of Ottawa
Comunicação quântica é aplicada pela primeira vez em território real, em Ottawa


Além de maior aporte as informações, a criptografia quântica de alta dimensão se mostra mais segura por tolerar mais ruídos obscurecidos pelo sinal, como o ar turbulento, detectores com defeito e tentativas de intercepção com transmissão de risco. "Esse limite de ruído superior significa que, quando a criptografia quântica 2D falhar, você pode tentar implementar a 4D porque, em princípio, é mais seguro e mais resistente ao ruído", afirmou o pesquisador  Ebrahim Karimi em um comunicado a imprensa.

Leia também: Probióticos podem reduzir chances de bebês contraírem Sepse

Vale mencionar que os algoritmos atuais provavelmente não serão mais seguros no futuro, à medida que os computadores se tornarem mais poderosos. Por isso, a equipe já está trabalhando para dominar técnicas de criptografia mais fortes, como a distribuição de chaves quânticas que utilizam a luz, usando os estados quânticos de partículas de luz para codificar e enviar as chaves.

Cenário real

Agora, o conceito de comunicações quânticas como essa tem sido um conceito teórico por conta da implementação global, que exigirá a transmissão entre a Terra e os satélites. Os cientistas têm feito testes horizontais através do ar ao longo das distâncias porque a distorção que sinaliza o encontro pode imitar a informação enquanto passam pela atmosfera. A taxa de erro para as mensagens foi de 11%, muito abaixo do limite de conexão segura de 19%. Mesmo assim, as dificuldades não atrapalharam o experimento e seu bom desenvolvimento futuro.

A equipe pretende  testar a tecnologia em uma rede de três links, abrangente a distâncias mais longas, com cada link a cerca de 5,6 quilômetros de distância. Eles também usarão tecnologia de ótica adaptativa para compensar a turbulência. O objetivo a longo prazo, de acordo a estudante de pós-graduação e membro do grupo, Alicia Sit, é ligar a rede à rede urbana existente, criando "uma rede de comunicação quântica com múltiplos links, utilizando mais de quatro dimensões ao tentar contornar a turbulência".

*Com tradução do Futurism.com

Leia também: Walmart e Google se unem para desbancar a concorrente Amazon

    Leia tudo sobre: inovação