Tamanho do texto

Escolha do player certo, atenção a satisfação do cliente e ajustes nos estoques: veja três cuidados para expandir seu negócio nos marketplaces

Brasil Econômico

Marketplaces passaram a crescer no Brasil, atraindo novos vendedores, que buscam aproveitar o fluxo elevado de visitas
shutterstock
Marketplaces passaram a crescer no Brasil, atraindo novos vendedores, que buscam aproveitar o fluxo elevado de visitas

A Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm) estima que o e-commerce nacional crescerá 12% neste ano, com faturamento de R$ 59,9 bilhões, se comparado ao ano passado. De acordo com o levantamento, 24% das vendas serão feitas em marketplaces, o que sinaliza a grande força do setor.

Leia também: INSS: Primeira parcela do 13º de aposentados e pensionistas será paga este mês

Sendo um modelo bem-sucedido e consolidado na América do Norte, os marketplaces passaram a crescer no Brasil, atraindo novos vendedores que buscam aproveitar o fluxo elevado de visitar dos players envolvidos.

Ainda segundo a ABComm, 45% dos comércios eletrônicos restringem-se a somente um marketplace, enquanto 7,4% dos vendedores estão presentes em três ou mais. O dado expõe que com o aumento da quantidade de canais de vendas, há também uma alta nas dificuldades.

Pensando nessa demanda, o diretor do marketplace do Magazine Luiza e da ABComm, Carlos Alves, listou os três principais cuidados a serem tomados para garantir o sucesso de uma operação dentro dessa grande vitrine de produtos.

1. A escolha certa

Existem alguns canais de venda que são especializados em nichos de mercado. Com isso, é de extrema importância que o gestor faça um estudo aprofundado e escolha qual player trará mais aderência ao seu produto.  Desse modo será mais fácil se destacar através do canal externo.

Leia também: Conheça a tecnologia que pode trazer a imortalidade aos humanos até 2045

2. O estoque

Cuidar do estoque é necessário para qualquer lojista. Ainda é muito comum que empreendedores criem armazenamentos virtuais e atuando em regime de cross docking – vendendo sem possuir o produto, adquirindo do fornecedor somente quando a aquisição for concluída pelo consumidor final. Entretanto, é preciso ter cautela com essa prática, já que pode representar uma armadilha, uma vez que as contas podem não fechar por conta da elevação no volume de vendas e nas despesas operacionais.

3. O atendimento

A importância de crescer moderadamente, acompanhando a experiência, possibilita que o gestor perceba quais são as melhores maneiras de atendimento. Assim, conforme o volume aumenta, as lojas se preparam para atender mais clientes, priorizando a satisfação, o que pode gerar recorrência de venda.

Mantendo-se atento a essas questões, o progresso sustentável será notável. Além disso, com o entendimento das regras de cada canal e com a habituação das particularidades, a probabilidade das lojas migrarem para outros marketplaces será potencializada, elevando a capacidade do e-commerce.

Leia também: Cinco dicas para conciliar a carreira e um negócio próprio