Tamanho do texto

Na data, consumidores costumam comprar presentes pela internet e acabam tendo problemas com entrega dos produtos, funcionamento e afins; entenda

O Dia dos Pais está próximo e nada mais cômodo do que comprar o presente pela internet, não é mesmo? Essa comodidade fará com que as lojas virtuais cresçam suas vendas 12% na data deste ano, segundo levantamento feito pela Infracommerce.

Leia também: Dia dos Pais: brasileiro deve gastar R$ 125 com presente, diz SPC Brasil

Dia dos Pais: Proteste dá dicas para quem pretende comprar o presente em lojas virtuais e marketplaces
shutterstock
Dia dos Pais: Proteste dá dicas para quem pretende comprar o presente em lojas virtuais e marketplaces


O grande interesse pelo canal de compra no Dia dos Pais trás uma série de dúvidas, já que além das lojas virtuais, o mercado online conta também com os agregadores de lojas online, conhecidos como marketplaces. Diferente do e-commerce tradicional, os marketplaces utilizam também “estoques e entregas” de parceiros, o que pode ocasionar em atrasos na entrega, a não entrega e desacordos comerciais entre consumidor e lojista.

Por mais que o consumidor consiga vantagens em relação à disponibilidade do produto, ao poder optar em qual loja fará a aquisição, é importante lembrar que produtos importados ofertados nesses canais não têm assistência técnica, o que pode gerar inúmeros problemas.

Assim como nos demais canais, os marketplaces são responsáveis pelos parceiros cadastrados na plataforma e pelos produtos comercializados, o que pode trazer um pouco mais de segurança ao consumidor ao comprar por esses canais.

Segundo a Proteste – Associação de Consumidores, “tanto a loja quanto o Marketplace são responsáveis pela garantia prevista em lei de 90 dias, contados a partir da entrega do produto, porém, sendo o vício de fácil constatação, tornando-se proibida qualquer restrição do fornecedor quanto a isso. Se o vício for oculto, o prazo se inicia a partir do momento em que ficar evidenciado”.

Para evitar que o consumidor caia em armadilhas, a Associação listou dicas para uma compra segura e sem dor de cabeça para data sazonal; veja:

Leia também: Empresários aumentam faturamento com venda de cerveja artesanal da África do Sul

1 - Verificar quem vende e quem entrega

É importante que o consumidor certifique-se quem é o vendedor do produto e quem fará a entrega do mesmo. Outra dica da Proteste e que deve se tornar hábito do consumidor é pesquisar sobre a loja que pretende fazer suas compras e se a mesma tem reclamações na internet de outros consumidores. “Se existirem muitas pessoas reclamando, você poderá ser o próximo”.

 2 – Pesquise a empresa em âmbito judicial

É um pouco mais trabalhoso, mas é importante que o consumidor tenha este tipo de informação. “Os tribunais divulgam a lista das empresas mais processadas, e isso indica que tais empresas têm muitos problemas”, explicou a Associação.

3 - Consulte um amigo

Ter a opinião de quem já comprou na loja pode evitar problemas. Questionar se a compra foi tranquila, se o produto foi entregue no prazo e se chegou inteiro é importante. “Se deu certo com o seu amigo, há muita chance de dar certo com você também”.

4 – O site é seguro?

É importante verificar se o site oferece segurança no registro dos dados pessoais e do número do cartão de crédito . Tem que a figura de um cadeado no canto direito superior da página na Internet.

5 - Comprovante

Ao finalizar a compra no canal virtual, o consumidor deve receber da loja o comprovante com dados do pedido e do pagamento. Caso a loja não envie, o consumidor deve cobrar esse documento, já que ele é fundamental em eventual reclamação no Procon ou até mesmo em uma ação judicial.

6 - Cuidado com dados pessoais

Nas compras online é necessário informar dados sigilosos como RG, CPF, número do cartão de crédito. Por isso, ao escolher a loja para compra verifique se a mesma tem selos de segurança e evite fazer compra em lan houses ou computadores que não são de uso pessoal. “Profissionais mau intencionados podem tentar roubar suas informações”.

7 - Ofertas podem ser armadilhas

Ofertas mirabolantes devem acender um sinal de alerta no consumidor. “Desconfie das ofertas muito tentadoras, especialmente em Marketplaces, uma vez que em sites como esse, existem diversas ofertas para serem analisadas. É impossível todas as lojas do mercado oferecerem um produto a 100 e um site, isoladamente, oferecer por 10”, evidenciou a Proteste.

8 - Consulte a lista de sites fraudulentos

Antes de comprar, confira a lista atualizada de sites fraudulentos divulgada pelos órgãos de defesa do consumidor. Você pode acessar o ranking das empresas mais reclamadas no Serviço de Defesa do Consumidor da Proteste, ou consultar o Procon de São Paulo, por exemplo, que divulga uma lista de sites que devem ser evitados.

9 - Você pode desistir da compra

Caso efetue a compra e o que foi entregue pela loja não for o produto adquirido é de direito do consumidor devolver o mesmo. Ele tem 7 dias para fazer a devolução. Mesmo sendo um presente para o Dia dos Pais, se ele não estiver de acordo com o que foi ofertado pelo canal ele deve ser devolvido para que o consumidor receba o dinheiro de volta. “Nem precisa justificar o motivo da devolução, basta olhar e não gostar. Essa é uma das vantagens da compra pela Internet ou por telefone”, finalizou a Proteste.

Leia também: Aplicativo colaborativo ajuda consumidor à economizar na hora da compra