Tamanho do texto

A ampliação para 210 dias foi concedida apenas a um grupo de funcionárias da indústria de cigarros Souza Cruz S.A, contratadas por tempo indefinido

Brasil Econômico

TST valida prazo que aumenta estabilidade apenas para gestantes contratadas por prazo indefinido
shutterstock
TST valida prazo que aumenta estabilidade apenas para gestantes contratadas por prazo indefinido

A Seção Especializada em Dissídios Coletivos (SDC) do Tribunal Superior do Trabalhador (TST) validou a cláusula coletiva que aumentou o prazo de garantia de emprego a gestantes , prevista constitucionalmente. A ampliação para 210 dias foi concedida apenas a um grupo de funcionárias da indústria de cigarros Souza Cruz S.A, contratadas por tempo indeterminado, sem extensão de contratos com vigência pré-determinada.

Leia também: Pedidos de recuperação judicial têm queda de 26,3% em julho, aponta Serasa

Segundo informações do TST , o acordo coletivo foi assinado pela empresa e pelo Sindicato dos Empregados Vendedores e Viajantes do Comércio no Estado do Pará, com validade entre 2016 a 2018. Entretanto, o Ministério Público do Trabalho quis anular a cláusula, por considerar que houve restrição ao direito e tratamento desigual em relação a mulheres que se encontram na mesma situação.

Desfecho

Diante da argumentação do Ministério, o Tribunal Regional do Trabalho da 8ª Região (PA/AP) declarou nulidade parcial ao fundamento de que se a lei garante um direito para funcionárias em geral, sem distinção quanto à duração do contrato, a norma coletiva não pode potencializá-la para um grupo e mantê-lo sem os ajustes para outro.

A decisão do Regional deferiu que a estabilidade ampliada deveria ser assegurada também a empregadas contratadas por prazo determinado, “sob a pena de estarmos diante de tratamento discriminatório”.

Para a relatora do recurso da Souza Cruz, ministra Maria de Assis Calsing, mesmo favorecendo somente um grupo de trabalhadoras, a norma coletiva é benéfica, uma vez que aumento o prazo de cinco meses, previsto no artigo 10 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias (ADCT).

Leia também: Aumento de impostos sobre combustíveis é suspenso na Paraíba

“Não se pode cogitar de ofensa ao princípio da isonomia quando estão em análise situações jurídicas diversas (quanto ao tempo de vigência de contrato), ligadas apenas a um fato comum, que diz respeito à gestação no curso do contrato de trabalho”, ressaltou.

De acordo com a ministra, a autonomia privada de sindicato e empresa deve ser preservada, já que “a cláusula teve aprovação inequívoca da categoria profissional”. Com isso, os integrantes da SDC acompanharam a relatora no TST, julgando como insustentável, o pedido de nulidade, e vencendo assim, a argumentação do ministro Mauricio Godinho Delgado, que considera a exclusão de um grupo, apenas com fundamento na existência de contrato por prazo determinado, como conduta discriminatória.

Leia também: Operação resgata 36 trabalhadores de condições análogas à escravidão