Tamanho do texto

Descontrole dos gastos e não saber qual a renda mensal de forma correta levam ao alto endividamento das famílias; veja como organizar as contas

Que o endividamento aumenta em períodos de crise, todo mundo já sabe. Mas nem sempre esse é o único fator a corroborar com as dívidas e a falta de pagamento das mesmas. Seguindo análise feita pelo CEO da Lendico, Marcelo Ciampolini, o grande erro dessa parcela de endividados é não saber qual o rendimento mensal.

Leia também: Finanças pessoais: Especialista dá seis dicas para economizar no combustível

Especialista da área financeira dá dicas para quitar dívidas e começar a juntar dinheiro; confira:
shutterstock
Especialista da área financeira dá dicas para quitar dívidas e começar a juntar dinheiro; confira:


Um exemplo clássico é sobre o valor do salário. Muitos fazem suas contas pensando no valor bruto (sem dos descontos de INSS , FGTS , benefícios e afins) e isso, na hora de fazer dívidas de longo prazo, gera diversos problemas.

Esse erro acomete os assalariados – que deveriam ser organizar mediante ao valor depositado pelo empregador na conta – e os autônomos e empresários, que costumam basear os gastos no valor do faturamento, esquecendo que o lucro também vem repleto de obrigações financeiras. Por mais que se tenham campanhas e diversas dicas de como calcular o rendimento real de uma família ou de uma pessoa, muitos caem no mesmo erro.

Ciampolini usou como base os pedidos de empréstimo feitos na plataforma e identificou que 40% dos clientes majoram a renda mensal em 40%. Em resumo, eles acreditam ganhar mais do que realmente ganham.

Esse não entendimento das finanças pessoais gera todo o stress do endividamento e para tentar minimizar isso, o executivo listou seis dicas para sair do vermelho:

1 - Organização

Para sair da situação é necessário saber de forma exata de quanto é a dívida e o período (parcelas) das mesmas. “Se for possível, pesquise o quanto será necessário para quitar débitos de uma vez”, indicou o executivo.

2- Economize

Junte dinheiro para pagar as suas dívidas. Ciampolini indica separar 15% da renda para quitar débitos. “Quando as dívidas terminarem, a disciplina servirá para guardar algum dinheiro”.

Leia também: Confira sete passos para acabar com as dívidas e manter as contas em ordem

3 – Nada de consumismo

Controlar as finanças e a vontade de comprar são medidas importantes nessa hora. O indicado é não fazer novas despesas e reforçar os esforços para quitar as mais importantes.

4 – Renegociar

Uma das medidas para sair da situação é renegociar os débitos com os credores. Procure as instituições a quem deve e tente chegar a um acordo com descontos em juros ou um melhor parcelamento, por exemplo.

5- Nada de cartão

Se você não costuma se controlar com um cartão de crédito na mão, o ideal é não sair de casa com ele. Se precisar comprar algo, leve somente o valor para usar naquele momento.

6-Junte dinheiro e invista

Após ter quitado todas as dívida é a hora de investir. Na opinião do CEO da Lendico, não faz sentido a pessoa estar endividada e querer fazer investimentos. “Antes de poupar a pessoa precisa quitar suas dívidas. Isso porque a pessoa possivelmente pagará mais juros com a dívida do que receberá em juros do investimento”, aponta.

 Leia também: Inadimplência atinge maior número de pessoas desde 2012, diz Serasa Experian

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.