Tamanho do texto

Alteração nos valores havia sido anunciada pela Petrobras na última terça-feira; estatal diz que mudanças não se aplicam ao GLP industrial e comercial

Reajuste no gás de cozinha foi aplicado sobre os preços praticados sem incidência de tributos
Arquivo/Agência Brasil
Reajuste no gás de cozinha foi aplicado sobre os preços praticados sem incidência de tributos

O preço do gás liquefeito de petróleo (GLP) – o gás de cozinha – para uso residencial envasado pelas distribuidoras em botijões de até 13 kg (GLP P-13) foi reduzido em 4,5% pela Petrobras. O reajuste entrou em vigor nesta quarta-feira (5).

Leia também: Mulheres receberam 23,6% a menos do que os homens em 2015, revela IBGE

A última queda no valor do  gás de cozinha havia sido anunciada há menos de um mês, no dia 8 de junho. De acordo com informações divulgadas pela Petrobras, a alteração não se aplica ao GLP destinado ao uso industrial e comercial.

A estatal informou ainda que, como a lei brasileira garante liberdade de preços no mercado de combustíveis e derivados, as revisões feitas nas refinarias podem ou não se refletir no preço final ao consumidor e vai depender de repasses feitos especialmente por distribuidoras e revendedores.

O reajuste foi aplicado sobre os preços praticados sem incidência de tributos. Segundo os cálculos da companhia, caso seja repassado integralmente ao consumidor, o preço do botijão de GLP P-13 pode ser reduzido, em média, em 1,5% ou cerca de R$ 0,88 por botijão. Isso ocorrerá se forem mantidas as margens de distribuição e de revenda e as alíquotas de tributos.

Leia também: Motorista receberá indenização de R$ 15 mil após não ter descanso adequado

De acordo com o Sindicato Nacional das Empresas Distribuidoras de Gás Liquefeito de Petróleo (Sindigás), a flutuação de preços no mercado brasileiro de GLP é positiva. Apesar disso, o sindicato ressaltou em nota, que o ajuste “ainda deixa o preço praticado pela Petrobras para as embalagens até 13 quilos aproximadamente 18% abaixo do preço de paridade internacional, o que inibe investimentos privados em infraestrutura no setor de abastecimento”.

Na última segunda-feira (3), a Petrobras havia anunciado a redução média de 5% nos preços de comercialização às distribuidoras do gás liquefeito de petróleo destinado aos usos industrial e comercial, que entrou em vigor na terça-feira. A companhia informou que o principal motivo para esta redução foi a queda das cotações do produto no mercado internacional.

Leia também: Exportações de celulose rendem US$ 2,4 bilhões ao Brasil no acumulado do ano

Gasolina e diesel

Além do gás de cozinha, a Petrobras já havia reduzido o preço médio da gasolina e do diesel nas refinarias em 5,9% na última sexta-feira (30). A decisão acompanha a política de preços da companhia e ocorreu após avaliação do Grupo Executivo de Mercado e Preços (Gemp).

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.