Tamanho do texto

Número representa leve aumento de 0,2% em comparação com 2014; Brasil fechou o ano avaliado com 5,1 milhões de empresas e outras organizações

Região Sudeste concentrou maior parte das empresas, com 2,9 milhões de unidades (51,1%), aponta IBGE
shutterstock
Região Sudeste concentrou maior parte das empresas, com 2,9 milhões de unidades (51,1%), aponta IBGE

O Brasil registrou a criação de aproximadamente 11,6 mil novas empresas e outras organizações ativas no ano de 2015, segundo dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quarta-feira (5). Este número representa um aumento de 0,2% em relação ao ano anterior. A quantidade de pessoal ocupado assalariado, por outro lado, teve redução de 3,6% – menos 1,8 milhão de trabalhadores.

Leia também: Salário médio do trabalhador brasileiro ficou 3,2% menor em 2015, aponta IBGE

No ano da avaliação feita pelo IBGE , o País tinha 5,1 milhões de empresas e outras organizações ativas, que empregavam 53,3 milhões de pessoas, sendo 46,6 milhões (87%) assalariadas e 7 milhões (13%), sócias ou proprietárias. Fazendo a comparação com 2014, o número de sócios e proprietários teve queda de 0,1% no período, ou 7,7 mil pessoas.

Mesmo com uma queda nos empregos no ano passado, em comparação com 2015, os levantamentos apontam que, entre 2010 e 2015, empresas e outras organizações formais geraram 3,6 milhões de novos vínculos empregatícios, passando de 43 milhões para 46,6 milhões de pessoas.

A pesquisa também mostra que houve aumento de 0,6% de empresas públicas em 2015, o que representa mais 128 empresas. Houve ainda uma queda de 124,4 mil postos de trabalho (-1,3%). Já nas entidades empresariais, foi registrada uma redução de 2,9 mil empresas (-0,1%) e de 1,6 milhão em pessoal ocupado assalariado (-4,5%).

Leia também: Motorista receberá indenização de R$ 15 mil após não ter descanso adequado

Por outro lado, as entidades sem fins lucrativos aumentaram em número e pessoal ocupado, com 14,4 mil novas empresas e outras organizações (3,2%) e aumento de 16 mil novos empregados assalariados (0,2%).

Por região

Mantendo o que vinha acontecendo nos anos anteriores, a região Sudeste concentrou a maior parte das empresas, com 2,9 milhões de unidades (51,1%). Além disso, a região também teve o número mais elevado de pessoas ocupadas, que ficou em 26,9 milhões e dos salários e outras remunerações, que chegaram em R$840,3 bilhões.

A segunda região com maior número de unidades foi o Sul, que concentrou 22% das organizações instaladas no Brasil.  Em salários e outras remunerações, a região registrou o total de 16,2%.

Leia também: Exportações de celulose rendem US$ 2,4 bilhões ao Brasil no acumulado do ano

Ainda segundo o IBGE, a região Nordeste teve o segundo lugar em pessoal ocupado total, com 18,1%, e em pessoal ocupado assalariado, que teve percentual de 18,7%. Além disso, a região ficou com a terceira posição em número de unidades locais, com o total de 15,4%, e em salários e outras remunerações (14,6%). A Região Centro-Oeste ficou na quarta colocação em todas as variáveis analisadas e a Região Norte na quinta, com as menores participações.


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.