Tamanho do texto

O efeito negativo da jornada exaustiva afeta mais as mulheres que os homens; lesões nos pés, tornozelos e joelhos afastam os mesmos do trabalho

Muitas carreiras e funções exercidas pedem que o profissional passe horas e horas em pé. Comerciante, vendedor e lojistas – geralmente são os que mais sentem o peso dessa jornada – e segundo pesquisa realizada essa rotina é prejudicial à saúde dos envolvidos e dos negócios.

Leia também: Dor nas costas é doença que mais gera afastamento do trabalho; confira

Profissional que tem jornada longo e em pé corre mais riscos de lesões em joelhos e tornozelos, além de reduzir a produtividade em até 40%
shutterstock
Profissional que tem jornada longo e em pé corre mais riscos de lesões em joelhos e tornozelos, além de reduzir a produtividade em até 40%


A pesquisa "O trabalho e a relação com os pés, tornozelos e joelhos" sinalizou que dores nos pés, tornozelos e joelhos são os maiores vilões da produtividade. Por mais que o profissional tente exercer suas funções da melhor forma possível, o desgaste de horas a fio em pé impede que o resultado seja positivo.

O empresário e um dos autores do estudo, Thomas Case, explicou que os efeitos são mais nocivos para as mulheres, infelizmente. "Quanto mais horas em pé, mais o ritmo de trabalho cai. As perdas são alarmantes. As mulheres produzem 47% menos e os homens 33% menos" alerta o empresário.

Analise de Mateus Martinez, fisioterapeuta-chefe da Pés Sem Dor e co-autor da pesquisa, apontou que profissionais que trabalham sem dor são até 40% mais produtivos e cabe às empresas criarem ações para melhorar a qualidade de vida das pessoas no ambiente de trabalho. "Se a dor fosse eliminada, haveria um aumento de 30% até 40% na produtividade com o mesmo número de funcionários".

"As razões das perdas de capacidade são as dores causadas pelo trabalho em pé. O pior é que em longo prazo surgem lesões nos pés, tornozelos e joelhos de milhares de trabalhadores. É necessária a conscientização de que não bastar ter um EPI se os calçados do uniforme massacram os pés" completou o fisioterapeuta .

Leia também: Workaholic: Você é um? Confira as características do distúrbio

Sinais

Os empresários devem ficar atentos e procurar maneiras de amenizar essas dores durante o expediente e os próprios profissionais dão sinais de como proceder. A pesquisa indicou que as mulheres procuram se sentar até sete vezes ao dia para minimizar o efeito das horas em pé, enquanto os homens fazem a mesma coisa cerca de seis vezes.

Uma estatística curiosa é a maneira que esses trabalhadores encontram para fugir da dor. A pesquisa identificou que as mulheres buscam sentar até sete vezes ao dia, enquanto os homens buscam este alívio quase seis vezes. Conforme o tempo em pé aumenta, mais o fenômeno se repete.

As empresas que oferecem uniformes podem minimizar a dor do profissional ao ofertar sapatos de qualidade, assim como costumam fazer com as vestimentas. Os demais profissionais podem  procurar por sapatos ou palmilhas que ajudem a diminuir os efeitos da jornada.

Leia também:  Funcionária receberá R$ 5 mil após sofrer agressões físicas, determina TRT

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.