Tamanho do texto

Cerca de 900 mil consumidores ingressaram no cadastro de inadimplência; índice ficou em 61 milhões de pessoas, em 2016 o número era de 59,5 mi

Brasil Econômico

Nesta segunda-feira (3), o Indicador Serasa Experian de Inadimplência do Consumidor divulgou que em maio deste ano o número de pessoas com dívidas em atraso no Brasil chegou a 61 milhões, sendo o maior número obtido desde o início da série histórica que começou em 2012.

Leia também: Educação financeira: veja oito conceitos para ensinar às crianças

Inadimplência: Uma baixa pontuação no score pode significar que o cidadão em questão tem maiores chances de não honrar seus compromissos financeiros
shutterstock
Inadimplência: Uma baixa pontuação no score pode significar que o cidadão em questão tem maiores chances de não honrar seus compromissos financeiros

De acordo com a Serasa Experian, cerca de 900 mil consumidores ingressaram no cadastro de inadimplência no mês de maio. No mesmo mês do ano passado, o número registrado era de 59,5 milhões de pessoas na lista. Especialistas da entidade avaliam que as principais causas desse crescimento são o desemprego e a recessão econômica.

Consequências

Além de restringir o acesso ao crédito e desorganizar a vida financeira das famílias, ingressar o nome ou mantê-lo nos cadastros de proteção também contribui para que o score de crédito do consumidor seja baixo.

Os pontos do Serasa Score variam entre zero e 1 mil, e são resultantes do relacionamento do consumidor com o mercado. Além disso, outros elementos como o pagamento de contas em dia, histórico de dívidas negativadas, relacionamento financeiro com empresas e dados cadastrais atualizados são considerados para o resultado final.

Uma baixa pontuação no score pode significar que o cidadão em questão tem maiores chances de não honrar seus compromissos financeiros nos próximos 12 meses ou ter acesso facilitado ao crédito.

“Vale lembrar que cada caso é um caso: a elevação ou decréscimo do score após entrada ou saída da lista de inadimplentes dependerá de uma série de fatores, como o valor da dívida, quantidade de parcelas em atraso e quanto tempo aquele CPF permaneceu na lista de inadimplência”, explica a diretora do Serasa Consumidor, Carolina Aragao.

Assim que o consumidor deixa a lista de inadimplentes, a sua pontuação começa a aumentar, o que melhora a reputação junto ao mercado de crédito.

Leia também: Lei permite conceder desconto em compras pagas à vista; entenda

Mais pontos

Pagar as contas em dia, manter os dados cadastrais atualizados e abrir o Cadastro Positivo podem ajudar a elevar a pontuação. Pensando nisso, especialistas da Serasa selecionaram dicas para ajudar o inadimplente a frear as contas em atraso, confira:

1.     Consulte o site do Serasa Consumidor e verifique se você está negativado ou não;

2.     Em caso de interesse por crédito no mercado, cheque como está a sua pontuação no Serasa Score, assim poderá medir quais as chance de conseguir um financiamento;

3.     Se você é um consumidor com o nome sujo, vá até o Limpa Nome Online, e veja qual a proposta do credor para sua dívida em atraso;

4.     É muito importante que as parcelas da renegociação de dívida caibam no bolso e, somadas aos débitos já existentes – desconsiderando o imobiliário – não ultrapassem 20% da renda mensal;

5.     Antes de renegociar é necessário que o endividado coloque na ponta do lápis todas as despesas fixas e as contas já assumidas ou previstas. Desta forma, obtém-se o quanto está disponível e quais as condições reais para pagar a nova dívida que será renegociada;

6.     Quem está com dívidas em atraso e com direito ao resgate do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) deve utilizar, ao menos, parte do valor para quitar as pendências;

7.     Utilize um crédito mais barato para pagar dívidas mais caras: “um crédito consignado poderá ser a saída para as parcelas atrasados do cartão de crédito ou do cheque especial, por exemplo”;

8.     O Serasa Consumidor disponibiliza gratuitamente o e-book “Como se preparar para a renegociação de dívidas”, com um série de dicas para fazer uma boa renegociação e sair da inadimplência.

Leia também: Especialista aponta 10 dicas para o consumidor na hora de pedir descontos; veja

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.