Tamanho do texto

Segundo associação de supermercados o café e o leite tiveram alta de dos dígitos e tornaram a primeira refeição do dia cara aos brasileiros; entenda

A inflação pode até estar em queda, porém o peso de uma ida ao supermercado continua a impactar o bolso do consumidor em todo o País. Pesquisa realizada pela Associação Paulista de Supermercados (Apas), por meio do Índice de Preços nos Supermercados (IPS/APAS/FIPE), identificou que o pão com manteiga e o café com leite, itens típicos de café da manhã , ficaram mais caros este ano.

Leia também: Juros do rotativo do cartão caem para 363% ao ano; menor taxa desde 2015, diz BC

Consumidor paga mais caro para se alimentar pela manhã. Café, leite e pão estão mais caros este ano
shutterstock
Consumidor paga mais caro para se alimentar pela manhã. Café, leite e pão estão mais caros este ano

Segundo a entidade, a alta que mais surpreendeu na pesquisa foi o preço do café, que ficou 14,58% mais caro este ano ao consumidor só este ano. A variação em 12 meses é mais assustadora ainda, com alta de 26,44%. O leite longa vida, de grande consumo no País registrou elevação de 6,55%.

Em contrapartida, em 12 meses, ficou pouco mais barato, ao ter queda na variação na ordem de 2,35%. A Apas informou que a alta no preço do leite impactou diretamente os seus derivados, sendo eles: a manteiga que subiu 7,86% ao longo deste ano e chegou a 19,80% nos últimos 12 meses. Quanto ao pão francês, a alta em 2017 foi de 0,43%, enquanto em 12 meses subiu 4,45%.

Leia também: Entenda por que o ataque com ransomware NotPetya é mais grave que o WannaCry

Alta nos custos

Segundo o gerente de economia e pesquisa da Apas , Rodrigo Mariano, os preços foram impactados diretamente pelo custo de produção – que teve alta no período – e por questões climáticas.

A alta no preço do pão francês, por exemplo, foi ocasionada pelos ingredientes de seu preparo, principalmente o preço do trigo. Já o preço do leite foi em decorrência do aumento nos custos da ração animal e da redução da quantidade e qualidade do pasto, que geram menor produção de leite, impactando nos preços do produto final. E, consequentemente, a alta se refletiu nos derivados do leite, como a manteiga, por exemplo.

A explicação do economista para a alta do preço do café deve-se ao ritmo mais lento da colheita, até o presente momento, e demora na maturação dos grãos.  Com um cenário como este, a dica do economista da Associação para o consumidor conseguir economizar é pesquisar. “A pesquisa é sempre um trunfo do consumidor, pois isso garante mais competitividade no setor e preços mais favoráveis”, analisou ele.

Leia também:Boleto de pagamento: qualquer agência aceitará após vencimento a partir de julho

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.