Tamanho do texto

De acordo com especialista, volatilidade atual pode ser uma oportunidade para potencializar os ganhos dos investimentos no mercado de ações

Brasil Econômico

Especialista dá dicas de como iniciar os investimentos na Bovespa
iStock
Especialista dá dicas de como iniciar os investimentos na Bovespa

Mesmo com o cenário de incertezas políticas e econômicas que assolam o Brasil e sendo considerado de alto risco, o investimento em ações em bolsas de valores como a Bovespa, pode trazer um bom retorno em médio a longo prazo. De acordo com especialistas, a volatilidade atual pode ser uma oportunidade para potencializar os investimentos no mercado de ações , e consequentemente aumentar os ganhos.

Leia também: Justiça proíbe JBS de vender ativos para Minerva Foods; entenda o caso

Para o especialista em mercado de capitais e sócio da Interinvest Investimentos, Luís Fernando Zen, o mercado de capitais pode ser acessado por qualquer pessoa, basta procurar uma corretora de valores ou um assessor de investimentos para que o novo investidor seja auxiliado corretamente nesse processo inicial na Bovespa .

Veja abaixo algumas dicas do especialista para aqueles que desejam começar a investir, mas não sabem como:

Por onde começar? 

Para os que gostariam de começar investindo em renda variável, o recomendado é procurar imediatamente uma corretora de valores ou um assessor financeiro para que o cadastro possa ser feito. Em aproximadamente 24 horas o novo investidor já será possibilitado a enviar as primeiras ordens ao mercado, ou seja, a instrução dada por um cliente à corretora para a execução de compras ou vendas de ações.

Qual o valor mínimo para se investir?

O especialista destaca que não existe valor mínimo para se investir, mas que a partir de R$ 5 mil já é possível montar uma carteira e diversificar em, pelo menos, três ações. Empresas de capital aberto geralmente são negociadas por lotes de 100 ações. Por exemplo: a ação da Petrobras custa R$ 15, logo, o lote padrão será 100 x R$ 15, o que dá R$ 1,5 mil. Além disso, existe o mercado fracionário, que pode ser negociado por múltiplos de uma ação, porém, com uma menor liquidez. Entretanto, tratando-se em ativos de primeira linha – empresas de alta liquidez e grande volume de negócios diários – há uma certa segurança.

Vale ressaltar que nesse caso, é fundamental o desenvolvimento de uma diversificação de ativos para que os riscos possam ser diluídos.

Qual sistema deve-se utilizar? 

Com as múltiplas opções de plataformas para se operar na bolsa, pode-se enviar ordens diretamente do navegador de internet ou utilizando o próprio smartphone para acompanhar o desenvolvimento dos negócios. Para aqueles que buscam agilidade, existem ferramentas mais completas, como os softwares . Desse modo, cabe ao cliente avaliar os custos, considerando que grande parte das plataformas web e mobile são gratuitas, enquanto as profissionais têm valores variados.

Leia também: Banco Central mantém projeção do PIB em 0,5%; inflação deve ficar em 3,8%

Quais são os tipos de ações e como escolher a melhor opção?

Para que a melhor escolha possa ser feita, é necessário que se avalie as opções de acordo com o perfil do investidor. Empresas consolidadas que tenham um fluxo de caixa positivo e com política de distribuição de lucros consistente podem ser uma escolha viável para investidores com perfil mais conservador. Bradesco, Itaú, Sanepar, WEG são alguns exemplos. Já os com perfil mais arrojado podem apostar em empresas ligadas diretamente a uma recuperação econômica do País. Na concretização da queda da taxa de juros e acesso ao crédito para os brasileiros, setores do varejo e da construção civil podem ser ótimas alternativas.

Existe um prazo ideal para se investir e ter retorno?

Não existe prazo mínimo, mas o investidor deve ter em mente que pode ter prejuízos a curto prazo por conta da instabilidade do mercado, principalmente neste momento. Porém, com boas escolhas na hora da compra, os fundamentos da empresa irão prevalecer a longo prazo.

Quais são os riscos?

Zen aponta que no Brasil, o principal risco de adentrar o mercado de negócios e a Bovespa atualmente é a recessão econômica, que pode desvalorizar o patrimônio do novo gestor. Entretanto, afirma que se carteiras das empresas forem financeiramente saudáveis e estiverem aptas a enfrentarem as turbulências, certamente haverá grande chances de se obter um retorno antes do período esperado.

Leia também: Demanda do consumidor por crédito registra alta de 7,2% em maio, diz pesquisa

    Leia tudo sobre: Bovespa
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.