Tamanho do texto

As funções que mais afastam funcionários pela causa são o serviço público, varejo, funções hospitalares, construção civil e transporte rodoviário

Brasil Econômico

De acordo com os últimos resultados do Ministério do Trabalho, a dor nas costas é a doença que mais gera afastamento dos brasileiros do trabalho. Somente em 2016, os números chegaram a 116 mil trabalhadores fora de seus postos por conta da dor. Logo em seguida, no ranking vêm fraturas e lesões nas pernas e nas mãos, com respectivos saldos de 108 mil e 93 mil. Fratura no antebraço e no pé (com exceção do tornozelo) entraram para a lista também dos cinco primeiros motivos.

Leia também: Dor nas costas? Veja as possíveis causas e os cuidados para prevenir o problema

Em 2016, cerca de 116 mil pessoas sofreram afastamento do trabalho por causa de dores nas costas
shutterstock
Em 2016, cerca de 116 mil pessoas sofreram afastamento do trabalho por causa de dores nas costas

Em análise, a médica do trabalho e diretora da Aclimed, Marianne Sobral, aponta que não são as atividades pesadas as maiores responsáveis por lesionar os trabalhadores e gerar o consequente afastamento , a dor nas costas – que também pode ser chamada de dorsalgia – atinge mais as pessoas que trabalham sentadas por muitas horas seguidas na mesma posição e quem executa movimentos repetitivos. 

Entre as funções que podem ser destacadas por mais afastarem os funcionários pela causa  em questão, as executadas no serviço público, o varejo – em especial, supermercados–, funções hospitalares, construção civil e transporte rodoviário de cargas.

Leia também: WhatsApp: veja até quando donos de celulares antigos poderão usar o aplicativo

Ginástica laboral

Diante desta realidade, muitas companhias têm aderido à ginástica laboral e alongamentos para os funcionários. “Não há nenhuma norma regulamentadora que trate diretamente dessas ações, mas a NR 17, da ergonomia, estabelece as condições de trabalho ideais para cada atividade, de acordo com cada função. E, cabe ao responsável por emitir o laudo ergonômico, incluir na Análise Ergonômica do Trabalho as pausas necessárias e indicar a realização de exercícios laborais que previnam lesões e doenças, a ginástica laboral é uma delas”, aponta Marianne Sobral.

Além de ser uma fonte de descontração, os exercícios de alongamento e relaxamento feitos no próprio local de trabalho em 10 ou 15 minutos previnem Lesões por Esforços Repetitivos e Doenças Osteoarticulares Relacionadas ao Trabalho (LER/DORT) e a diminuição do estresse, diminuindo as chances de um eventual afastamento.

Leia também: Funcionária receberá R$ 5 mil após sofrer agressões físicas, determina TRT

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.