Tamanho do texto

Para a economista-chefe do SPC Brasil, o resultado das vendas do período mostra que a aguardada recuperação no varejo será adiada novamente

Brasil Econômico

Faturamento das vendas do Dia dos Namorados  estimado foi de R$ 44 bilhões.  Assim, a diferença ante ao mesmo período do ano passado foi de R$ 1,9 bilhão, com alta de 4,5% no faturamento total
iStock
Faturamento das vendas do Dia dos Namorados estimado foi de R$ 44 bilhões. Assim, a diferença ante ao mesmo período do ano passado foi de R$ 1,9 bilhão, com alta de 4,5% no faturamento total

De acordo com informações do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), as vendas parceladas no Dia dos Namorados registraram queda de 9,61% se comparadas ao mesmo período do ano passado. Vale lembrar que desde 2011 o ritmo do comércio para a data comemorativa vem desacelerando. Nos últimos quatro anos esse movimento ficou ainda mais evidente, uma vez que as variações foram de -15,23% em 2016, -7,82 %, em 2015, -8,63%, em 2014, +7,72%, em 2013, +9,08%, em 2012, +10,80%, em 2011 e +7,23%, em 2010.

Leia também: Vendas no varejo voltam a crescer, com avanço de 1% no mês de abril, diz IBGE

Para a economista-chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti, o resultado das vendas no Dia dos Namorados mostra que a tão aguardada recuperação das vendas no varejo será adiada mais uma vez. “Embora os juros estejam diminuindo e a inflação em patamar abaixo da meta, o comércio só deverá sentir os efeitos positivos do fim da recessão quando a recuperação econômica se refletir em aumento da renda e da empregabilidade, fato que ainda não aconteceu”. 

Desempenho

Segundo a avaliação dos especialistas de ambas as entidades, ainda que o resultado seja negativo e venha de um período contínuo de retração, que já dura quatro anos, o recuo para a data neste ano foi menos intenso do que em 2016, o que pode indicar um comportamento menos pessimista para o varejo nas próximas datas comemorativas.

O presidente da CNDL, Honório Pinheiro, ressalta que o comprometimento da renda e a menor oferta de crédito forçou o brasileiro a comprar presentes à vista. “Os consumidores estão mais preocupados em não comprometer o próprio orçamento com compras parceladas, por isso optaram por presentes mais baratos e geralmente pagos à vista”, afirma.

Leia também: Deficit primário projetado pelo Governo cai para R$ 142,051 bilhões

Uma pesquisa do SPC Brasil e da CNDL já havia apontado que o pagamento a dinheiro seria o mais utilizado, de acordo com a resposta de 69% dos compradores, com ticket médio no valor de R$ 124. Roupas, perfumes e cosméticos, calçados, acessórios como cinto, óculos e bolsas, flores, chocolates, jantares, e smartphones foram os presentes mais procurados, com 30%, 18%, 11%, 9%, 7%, 5%, 4% e 3%, respectivamente.

Boa Vista SCPC

Em contrapartida, dados da Boa Vista SCPC mostraram que em 2017 as vendas reais do comércio para o Dia dos Namorados cresceram 2,6% frente a 2016, enquanto se comparadas ao mesmo período de 2015 há uma queda de 5,8%, já que o resultado registrado no ano foi negativo, com 0,5%. Em relação ao faturamento das vendas, o estimado em parceria com a Fecomercio-SP, foi de R$ 44 bilhões.  Assim, a diferença ante ao mesmo período do ano passado foi de R$ 1,9 bilhão, com alta de 4,5% no faturamento total. Diante das quedas na inflação, nos juros e com o uso de recursos do FGTS, entre outros fatores, a entidade evidencia uma melhora na disposição das famílias em relação ao consumo, o que pode ser um indicativo de recuperação do comércio em 2017.

Leia também: Empreendedorismo feminino: quatro empresárias para ficar de olho no Facebook

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.

    Notícias Recomendadas