Tamanho do texto

Apesar da retração, economista diz que taxas ainda são altas; entre junho de 2016 e março de 2017, consumidores pagaram 436,51% de juros no cartão

Brasil Econômico

As novas regras para o rotativo do cartão estão estimulando a queda dos juros da modalidade de crédito, que possui as taxas mais elevadas do mercado. Segundo dados da Associação Nacional de Executivos de Finanças (Anefac), as taxas recuaram de 14,31% em abril, quando a regra foi instituída, para 13,25%, em maio. A entidade realiza uma pesquisa mensal com a variação dos valores cobrados para pessoas físicas e jurídicas.

Leia também: Agências da Caixa abrirão até duas horas mais cedo para saques do FGTS inativo

O levantamento relativo ao mês de maio mostrou queda dos juros em todas as modalidadas para pessoa física . Além do cartão de crédito , que apresentou a retração mais significativa, houve recuo de 0,08 ponto percentual nas taxas de empréstimo pessoal em financeiras , que caíram de 8,15% para 8,07%. As taxas de empréstimo em bancos recuaram de 4,45% para 4,41%.

Segundo a Anefac, juros apresentaram queda em todas as modalidades de crédito para pessoa física em maio
Marcos Santos/USP Imagens
Segundo a Anefac, juros apresentaram queda em todas as modalidades de crédito para pessoa física em maio

Leia também: Indústria registra crescimento em apenas cinco estados em abril, diz IBGE

No comércio, a queda tambem foi de 0,04 p.p., passando de 5,76% para 5,72%. As taxas para crédito pessoal automático passaram de 2,23% para R$ 2,20% e as do cheque especial saíram de 12,30% para 12,28%.

Em relação às pessoas jurídicas , a pesquisa mostrou recuo generalizado. A taxa mensal do desconto de duplicatas barateou 0,05 p.p., passando de 2,98% para 2,92%. O crédito para capital de giro ciu de 2,49% para 2,44%. Por fim, o custo do crédito via conta garantida/cheque especial caiu de 8,27% para 8,23%.

"As taxas vêm caindo em todas as categorias, mas onde caiu mais foi no [crédito] rotativo. Essa mudança [nas regras] é que provocou uma queda um pouco maior. As demais taxas de juros caíram dentro do intervalo da Selic [taxa básica de juros da economia definida pelo BC, atualmente em trajetória de queda]", explica o economista Miguel de Oliveira, diretor-executivo da Anefac.

Novas regras

Desde o início de abril, os consumidores que não conseguem pagar integralmente a tarifa do cartão de crédito só podem ficar no crédito rotativo por 30 dias. A medida foi estabelecida na reforma microeconômica anunciada pelo governo no fim do ano passado. Ultrapassado o limite, os bancos são obrigados a transferir os débitos no rotativo para o crédito parcelado , que cobra taxas menores.

O diretor da Anefac destaca que mesmo com a queda nos juros do cartão de crédito, que tende a continuar, as taxas cobradas “ainda são muito altas”. Segundo a Anefac, de junho de 2016 a março de 2017, os juros acumulados do cartão de crédito somam 436,51%. A entidade aponta uma tendência em que as taxas de juros em geral sigam caindo, em razão das reduções da taxa Selic pelo Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central.

Leia também: Metade dos empregadores brasileiros têm vagas abertas por falta de qualificação

Desde outubro de 2016, o BC faz sucessivos cortes na Selic, devido à melhora nas expectativas quanto à queda da inflação. A Anefac ressaltou, no entanto, que ainda há risco elevado de inadimplência, o que favorece novas elevações das taxas de juros.

* Com informações da Agência Brasil.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.

    Notícias Recomendadas