Brasil Econômico

Brasil Econômico

Após o escândalo de corrupção envolvendo o presidente da República, Michel Temer, o mercado financeiro reviu as previsões de importantes indicadores financeiros como a inflação e o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB), informou nesta segunda-feira (29) o Banco Central (BC) por meio do Boletim Focus.

Leia também:Henrique Meirelles fala de pessimismo exagerado quanto a economia atual

undefined
shutterstock
Boletim Focus, do Banco Central, mostra que mercado financeiro ficou pessimista após escândalos


As mais de 100 instituições financeiras ouvidas pelo Banco Central ajustaram para cima a projeção da inflação, medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Após 11 reduções consecutivas, a perspectiva é que o indicador feche o ano em 3,95%. Na semana passada a estimativa era de 3,92%.

Mesmo com a leve alta, a perspectiva para inflação está abaixo do teto da meta estipulada pelo governo, que é de 4,5%. A projeção para o próximo ano também teve alta, ao passar de 4,34% para 4,40%.

Leia também: Imposto: consumidor terá até 80% de desconto no dia 1º de junho; entenda

PIB

A projeção de instituições financeiras para o crescimento da economia, ou seja, do PIB passou de 0,50% para 0,49%, este ano e de 2,50% para 2,48%, em 2018. O dólar, que teve um pico nas duas últimas semanas também teve a previsão de cotação alterada pelos economistas consultados pelo Banco Central.  A projeção para a cotação do dólar ao final de 2017 subiu de R$ 3,23 para R$ 3,25. Para o fim de 2018, passou de R$ 3,36 para R$ 3,37.

Reunião Copom

Nesta semana os economistas também falaram sobre as expectativas em relação à taxa básica de juros, Selic. Nesta terça-feira (30) e quarta-feira (31) os membros do Comitê de Política Monetária (Copom) vão se reunir para decidir sobre os juros. Os economistas projetam um corte de 1 ponto percentual na Selic.

Atualmente, a Selic está em 11,25% ao ano. Para o fim de 2017 e de 2018, a expectativa do mercado financeiro é que a taxa fique em 8,5% ao ano. A Selic é um dos instrumentos usados para influenciar a atividade econômica e a inflação.

Todas as perspectivas, segundo o Banco Central, vieram influenciadas pela crise política instaurada no País após o empresário e proprietário da JBS , Joesley Batista, entregar áudios com o presidente Temer e afirmar que tanto o presidente quanto o senador afastado, Aécio Neves, recebiam propina da empresa.

*Com informações da Agência Brasil

Leia também: Maioria dos brasileiros não faz nenhum tipo de poupança financeira, diz pesquisa

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários