Tamanho do texto

Segundo Raio-X FipeZap, 41% dos entrevistados afirmam ter a intenção de adquirir um imóvel; entre julho e setembro de 2015, índice estava em 40%

Brasil Econômico

A intenção de compra de imóveis nos próximos três meses registrou o menor nível desde o terceiro trimestre de 2015. Segundo dados divulgados nesta terça-feira (23) pelo Raio-X FipeZap, 41% dos entrevistados declararam ter a intenção de adquirir um imóvel, contra 40% registrados entre julho e setembro de 2015. Com a terceira queda trimestral consecutiva, o resultado dá continuidade à tendência apresentada desde julho do ano passado.

Leia também: Cerca de 38% dos empresários fogem do crédito por conta dos juros, diz CNDL

Segundo o levantamento, 53% dos interessados se mostraram indiferente em relação ao tipo de imóvel. Outros 35% buscam propriedades usadas. Entre os compradores dos últimos 12 meses, 63% optou pela aquisição de imóveis  usados. Ainda de acordo com a pesquisa, 62% das pessoas que adquiriram uma propriedade nos últimos 12 meses pretendem usar o local para moradia. A intenção de investimento para aluguel é compartilhada por 21% dos entrevistados.

Para 64% dos entrevistados que pretendem adquirir imóveis nos próximos três meses, preços estão altos ou muito altos
Marivaldo Oliveira/Futura Press - 23.7.15
Para 64% dos entrevistados que pretendem adquirir imóveis nos próximos três meses, preços estão altos ou muito altos

Leia também: Valor fixado para reajuste do plano de saúde é de até 13,55%

A parcela de interessados em adquirir uma propriedade para investimento (para aluguel ou revenda) apresentou queda de 39%, em dezembro de 2016, para 38%, em março de 2017. O resultado representa um novo piso para a série histórica. Em março do ano passado, por exemplo, o índice de investidores estava em 44%. O declínio do interesse do investimento para aluguel é apontado como o responsável, em boa medida, pelo resultado. Nos últimos 12 meses, o indicador passou de 26% para 21%.

Preços dos imóveis

O levantamento aponta ainda que o preços estão altos ou muito altos para 64% dos entrevistados que pretendem adquirir um novo imóvel. O índice apresentou retração de 2 pontos percentuais na comparação com o último trimestre de 2016. Para 25% deles, os preços estão em níveis razoáveis, e para 7%, estão baixos ou muito baixos. Entre os que já adquiriram uma propriedade, 47% afirmam que os preços estão alto ou muito altos, 35% dizem que estão em um nível razoável e 16% que estão baixos ou muito baixos.

Leia também: Compliance: confira cinco passos para estimular na sua empresa

A aposta dos futuros compradores sobre o preços dos imóveis em um período de 12 meses é de estabilidade. Para 29% deles, os valores deverão permanecer estáveis. Ao mesmo tempo, 28% acreditam que os preços irão diminuir e 17% projetam alta nos preços. No longo prazo, isto é, nos próximos 10 anos, 30% dos entrevistados afirmam que os preços permanecerão de acordo com a inflação, enquanto 25% esperam que a variação fique acima da inflação.