Brasil Econômico

As vendas do comércio para o Dia das Mães voltaram a crescer após dois anos de queda, apontam levantamentos feitos por entidades do setor e divulgados nesta segunda-feira. De acordo com dados da Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito), a data comemorativa teve desempenho 1,6% maior em 2017, na comparação com o ano passado.

Leia também: Veja dicas para melhorar o ambiente de trabalho e aumentar a produtividade

Segunda data mais importante para o comércio, o Dia das Mães ofereceu notícias positivas para o comércio, já que, em 2016, havia apresentado queda de 4,6% e, em 2015, de 1,2%. De acordo com a análise da Boa Vista, os números confirmam a "tendência de recuperação das vendas do varejo em 2017, apesar de uma cautela maior por parte do consumidor".

undefined
Shutterstock
Vendas de Dia das Mães em São Paulo apresentaram alta de 3,3% na comparação com 2016, segundo a Serasa Experian

Leia também: Presentes de Dia das Mães tiveram até 78% de impostos, diz pesquisa

A conclusão é que o crescimento foi alcançado por conta do recuo da inflação e da tendência gradativa de queda nos juros indicada pelo Banco Central. O cálculo da Boa Vista sobre o volume de vendas levou em consideração uma amostra de consultas realizadas no banco de dados do serviço entre os dias 8 e 14 de maio.

Com pequena diferença, um levantamento da Serasa Experian revelou a mesma tendência. De acordo com o levantamento, a data comemorativa fez as vendas aumentarem 2% entre os dias 8 e 15 de maio, na comparação com o período equivalente de 2016. No ano passado, por exemplo, a queda foi de 8,4%, a maior desde que o indicador foi criado, em 2003. Segundo dados do serviço, o resultado deste ano foi o primeiro positivo desde 2014.

Quando apenas o fim de semana de Dia das Mães (12 a 14 de maio) é levado em consideração, o aumento nas vendas foi de 1,1% na comparação com o mesmo período de 2016 (6 a 8 de maio). O indicador também revelou que, na cidade de São Paulo, as vendas na semana apresentaram elevação de 3,3% frente ao mesmo intervalo de 2016.

Para economistas da Serasa Experian, "a redução consistente da inflação, a queda dos juros e o ingresso dos recursos do FGTS na economia foram os principais fatores que conseguiram gerar um resultado positivo". Para chegar aos números, o indicador utilizou uma amostra das consultas realizadas no banco da Serasa entre 8 e 14 de maio e comparou com a consultas entre 2 e 8 de maio de 2016.

Vendas parceladas têm queda

Enquanto as vendas apresentam elevação, a opção pelo parcelamento registrou queda pelo quarto ano seguido, segundo levantamento do SPC Brasil (Serviço de Proteção ao Crédito) e da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL). O volume de vendas na semana anterior à data comemorativa caiu 5,5% na comparação com o mesmo período do ano passado. Apesar do resultado negativo, a queda em 2017 foi menos pior que a do ano passado, quando o comércio registrou retração de 16,4% nas vendas a prazo. 

Leia também: Hopi Hari anuncia pausa nas operações para "tomar fôlego e voltar à luta

"O resultado negativo [das vendas a prazo] com menos intensidade que em 2016 reglete a tendência de desaquecimento das vendas no varejo observado desde o ano passado em virtude do cenário econômico desfavorável, com crédito mais caro, inflação ainda elevada e altas taxas de desemprego", analisa o presidente do SPC Brasil, Roque Pellizzaro, após a apresentação dos dados relativos às vendas no Dia das Mães.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários