Tamanho do texto

De acordo com estudos recentes, cerca de 50% dos treinamentos são considerados pouco ou nada aderentes à realidade das empresas

Brasil Econômico

Diante do cenário de incerteza, complexidade e mudança é essencial as empresas realizarem investimentos no treinamento de sua equipe. Desenvolver competência, habilidades, conhecimentos e até mesmo simples comportamentos dos profissionais é algo que realmente pode trazer bons retornos.

Leia também: Veja métodos para melhor capacitar equipes formadas por jovens da geração Z

Investimentos: cerca de 50% dos treinamentos são considerados pouco ou nada aderentes à realidade e objetivos estratégicos das empresas
shutterstock
Investimentos: cerca de 50% dos treinamentos são considerados pouco ou nada aderentes à realidade e objetivos estratégicos das empresas

Entretanto, o que se tem notado é que esses investimentos de recursos na realidade têm trazido poucos feedbacks consideráveis para o comportamento dos profissionais, que é o objetivo principal de um bom programa de treinamento.

De acordo com estudos recentes, cerca de 50% dos treinamentos são considerados pouco ou nada aderentes à realidade e objetivos estratégicos das empresas. De forma sucinta, metade do custo com as capacitações é jogado no lixo.

Com base nesse panorama, o especialista em empreendedorismo social, José Ricardo Noronha, listou cinco recomendações para aumentar o retorno sobre o investimento feito em treinamentos:

1- Direto ao ponto

Tenha como objetivo imediato às competências e habilidades que tenham conexão direta com os principais desafios identificados nos profissionais de sua empresa.

2- Menos é mais

A lógica da objetividade permanece no segundo conselho do especialista. “Aposte anualmente em, no máximo, três tópicos de treinamento que sejam os mais críticos para o seu negócio”, aconselha.

Leia também: Rescisão indireta: saiba quando o trabalhador pode "demitir" a empresa

3- Customização e personalização

Evite cursos prontos. Noronha recomenda que esses produtos são fruto de uma comoditização e aumento da competitividade, que pouco ajudará o empreendedor a promover uma mudança no seu negócio. Quanto mais customizados forem os programas, melhor. Uma vez que assim, os problemas são resolvidos no ponto problemático.

4- Aprendizagem híbrida

Substitua o tempo com discussões sobre qual método de treinamento é mais eficaz por extração máxima dos benefícios que cada modelo de aprendizagem proporciona. José Noronha enfatiza a importância dos treinamentos presenciais, mas relembra que estes precisam de continuidade, a qual é garantida via oferta de cursos online. Vale ressaltar que se deve escolher o ensino a distância coerente com a realidade da empresa em questão.

5- Não medido = Não gerenciado

Utilize ferramentas capazes de medir o impacto dos treinamentos. “Busque o tempo todo aferir a efetiva aplicação dos novos conhecimentos no cotidiano dos seus profissionais e, principalmente, o impacto que estas novas técnicas e competências têm tido na melhoria dos principais indicadores chave de performance (KPI’s) do seu negócio”, aponta Domingos.

O especialista assume que não é fácil aplicar os itens citados, uma vez que eles exigem que os gestores e líderes analisem detalhadamente os desafios que podem ser impactados pelos programas. “Feito isso, é chegada a hora de fazer escolhas, ao eleger as áreas prioritárias para os investimentos nos treinamentos de organização”, conclui.

Leia também: Home office ou coworking: qual a melhor opção para empreendedores?

    Leia tudo sobre: empreendedorismo