Brasil Econômico

Levantamento feito pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV) apontou que o Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M), usado para reajuste de contrato de aluguel, teve queda de 1,10% em abril após apresentar estabilidade no mês de março (0,01%).

Leia também: Lei da terceirização: conheça alguns benefícios e desvantagens

undefined
iStock
índice que reajusta aluguel comercial e residencial tem queda em abril


Segundo o Ibre essa é a menor taxa de inflação para o reajuste do aluguel desde 1989, início da série histórica do indicador.  No acumulado do primeiro quadrimestre deste ano, a taxa ficou negativa em 0,36% e, nos 12 meses, atingiu 3,37%. O calculo do indicador foi feito com base na variação de preços pesquisados entre os dias 21 de março até 20 de abril.

O que mais influenciou a queda do IGP-M o foi Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA). O indicador passou de variação negativa de 0,17% para uma retração de 1,77%. E, no conjunto deste segmento, o destaque foi o grupo de matérias-primas brutas que apresentou uma diminuição de 5,22% ante uma baixa de 0,05% no período analisado pela FGV.

Leia também: Conheça as opções de contratação e cobertura dos planos de saúde

Despesas

Em relação ao Índice de Preços ao Consumidor (IPC), houve desaceleração com a taxa passando de 0,38% para 0,33% com destaque para habitação – que variou de 0,84% para 0,02%. Ainda neste segmento apresentaram decréscimo os grupos: transportes que passou de 0,15% para – 0,25%; vestuário ao passar de 0,22% para -0,65% e despesas diversas que era de 0,76% e foi para 0,37%.

Dentro dessas classes de despesas, os destaque no período analisado pelo Ibre/FGV foram: gasolina que variou de -081% para -1,75%; roupas que passou de queda de 0,05% para retração de 0,73% e o cigarro que passou de 1,20% para 0,31%.

Em contrapartida, apresentaram acréscimo em suas taxas de variação os grupos: alimentação (0,40% para 0,90%), saúde e cuidados pessoais (0,56% para 1,07%), comunicação (-0,69% para 0,21%) e educação, leitura e recreação (-0,29% para 0,16%). Nestas classes de despesa, destacaram-se: hortaliças e legumes (2,93% para 14,86%), medicamentos em geral (0,13% para 1,43%), tarifa de telefone residencial (-2,70% para -1,05%) e passagem aérea (-15,54% para 4,31%), respectivamente.

A queda do IGP-M também refletiu a redução da inflação em 0,08% no Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) ante uma variação em março último de 0,36%. Todos os indicadores mencionados, somados, ajudaram na redução do reajuste do aluguel. 

*Com informações da Agência Brasil 

Leia também: Michel Temer afirma ser "provável" inflação dentro da meta de 4,5% este ano


    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários