Brasil Econômico

Relatório da proposta referente à reforma da Previdência será apresentado na próxima terça-feira (18) pelo deputado Arthur de Oliveira Maia (PPS – BA), relator do texto na comissão especial da Câmara. De acordo com o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, trata-se de uma necessidade financeira e fiscal.

Leia também: "Prévia do PIB" tem alta de 1,31% em fevereiro, aponta Banco Central

Previdência: ainda falta fechar questões de metodologia e aspectos como modelo do regime de transição para as aposentadorias
MARCELO CAMARGO/AGÊNCIA BRASIL
Previdência: ainda falta fechar questões de metodologia e aspectos como modelo do regime de transição para as aposentadorias

No domingo (16), o presidente Michel Temer se reuniu com os ministros da Secretaria de Governo, Antônio Imbassahy, da Secretaria-Geral da Presidência, Moreira Franco, além de Meirelles. Entre os parlamentares que participaram do encontro está o relator da reforma da Previdência , assim como o presidente da comissão, Carlos Marum (PMDB – MS).

Análise

Segundo Meirelles, as alterações elaboradas pelo deputado relator estão dentro da margem prevista pelo governo, e garantiu que todas as lideranças da base aliada estão de acordo com a aprovação da reforma.

Sobre a conclusão do texto, o ministro informou que ainda existem muitas coisas a serem definidas, mas que até terça-feira (18) estarão em totais condições de serem divulgadas. Meirelles completou ao afirmar que: “Estaremos durante todo o decorrer do dia de hoje fazendo cálculos para ter a segurança de que os números estarão dentro daqueles números que asseguram o sucesso da reforma”.

Você viu?

Vale ressaltar que ainda falta fechar questões de metodologia e aspectos como modelo do regime de transição para as aposentadorias. Pontos como acúmulo de aposentadoria e pensão por morte também faltam ser concluídos.

Leia também: Defasagem nos salários das mulheres levará 20 anos para acabar, diz Meirelles

Sem escapatória?

Constantemente questionado sobre a reforma da Previdência, Meirelles acredita que não se trata de uma discussão de preferência ou opinião, visto que é uma necessidade matemática, financeira e fiscal. “Se o País não fizer uma reforma no devido tempo, em primeiro lugar as taxas de juros brasileiras, ao invés de cair, vão voltar a subir fortemente, vão faltar recursos para o financiamento do consumo, do investimento, o desemprego voltará a crescer e, ao mesmo tempo, teremos a inflação de volta”, afirma.

Ainda na apresentação no seminário, o ministro da Fazenda não deixou de criticar. Meirelles frisou que existem informações falsas a respeito da reforma da Previdência, como a de que se os grandes devedores pagassem o que devem, seria possível cobrir o deficit. Em sua avaliação, mais da metade da chamada dívida ativa é de companhias falidas, e as demais são cobradas seguindo os ritos judiciais.

Leia também: Banco do Brasil anuncia redução de juros para pessoas físicas e jurídicas

*Com informações da Agência Brasil

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários