Brasil Econômico

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou nesta quinta-feira (13), um crescimento de 0,7% observado no volume do setor de serviços em fevereiro, na série com ajuste sazonal e em comparação ao 0,2% obtido no mês anterior.  Em relação à série sem ajuste sazonal, o setor apresentou queda de 5,1% ante o recuo de 3,2% de janeiro. Na taxa acumulada, as retrações foram de 4,3% e de 5% em 12 meses.

Leia também: O segredo para vender mais: conheça as métricas capazes de alavancar negócios

undefined
iStock
Taxa acumulada no ano do setor de serviços ficou em 1,3% e em 0,0% em 12 meses

Também em comparação a janeiro e na série com ajuste sazonal, houve crescimento de 0,6% no segmento de serviços prestados , assim como nos segmentos transportes , serviços auxiliares dos transportes e correio, com 0,5% e serviços profissionais, administrativos e complementares, com 0,2%.

Em contrapartida, foram apresentados quedas nos segmentos de serviços de informação e comunicação, com 1,5% e em outros serviços, com 0,5%. Já o agregado especial das atividades turísticas subiu 0,2% na comparação com o primeiro mês do ano.

Atividades

Em fevereiro, a receita nominal variou 0,2% em relação a janeiro e na série com ajuste sazonal. Se comparada a janeiro, a variação foi de 0,5%. Enquanto a taxa acumulada no ano ficou em 1,3% e em 0,0% em 12 meses.

No que se diz respeito à composição da taxa global de volume e em comparação a fevereiro de 2016, os destaques negativos foram apontados nos segmentos de serviços profissionais, administrativos e complementares, com 2,4 pontos percentuais (pp), transportes, serviços auxiliares dos transportes e correio, com 1,5 pp, serviços prestados às famílias, com 0,6 pp, outros serviços, com 0,5 pp e serviços de informação e comunicação, com 0,1pp.

Leia também: Taxa Selic cai para 11,25% ao ano e atinge menor patamar desde outubro de 2014

Resultados Regionais

Nos resultados regionais do setor, Rondônia, Mato Grosso e Acre apresentaram os maiores crescimentos de volume, com 9,1%, 8,5% e 2,5%, respectivamente. Por outro lado, Ceará deteve a maior queda, com 9,8%, seguido do Espírito Santo, com 5,3% e Pernambuco, com recuo de 5,2%.

Em comparação ao mesmo mês do ano passado, os maiores acréscimos foram registrados no Piauí, com 10%, Mato Grosso, com 3% e Acre, com 0,5%. Já os decréscimos mais significativos foram notados em Tocantins, com 25,2%, Amapá, com 18,9% e Rondônia, com 18%.

Atividades turísticas

Para o índice de atividades turísticas, na comparação com janeiro, as variações positivas  foram obtidas no Distrito Federal, com 24%, São Paulo, com 5,6% e Goiás, com 2,7%. Em contrapartida, Pernambuco, Espírito Santo, Bahia, Rio de Janeiro, Ceará, Santa Catarina, Paraná. Rio Grande do Sul, e Minas Gerais decresceram 14,7%, 6,5%, 5,1%, 3,3%, 2,4%, 2,3%, 1,4% e 0,9%, respectivamente.

Na comparação com fevereiro de 2016, as variações positivas do setor de serviços foram: Goiás, com 16,6%, Santa Catarina, com 8% e Minas Gerais, com 3,1%. Já as negativas se deram no Rio de Janeiro, com 18,8%, Espírito Santo e Distrito Federal, ambas com 17,1%, São Paulo, com 11,2%, Rio Grande do Sul, com 8,1%, Paraná, com 5%, Pernambuco, com 3,1%, Ceará, com 2,3% e Bahia, com recuo de 1,8%.

Leia também: Caixa já pagou R$ 12 bilhões de contas inativas a oito milhões de trabalhadores

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários