Ilan Goldfajn fala ao Senado da importância da redução da taxa de juros para o crescimento econômico
MARCELO CAMARGO/AGÊNCIA BRASIL
Ilan Goldfajn fala ao Senado da importância da redução da taxa de juros para o crescimento econômico


Durante a sua participação na audiência pública na Comissão de Assuntos Econômicos do Senado nesta terça-feira (4) o presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, afirmou que a redução da taxa básica de juros, Selic, vai contribuir para que o País retome seu crescimento econômico.

Leia também: Novas regras: veja o que mudou no rotativo do cartão e como evitar dívidas

“Do lado do Banco Central, continuaremos a trabalhar com persistência e serenidade. Estamos certos que, em complementação a outros esforços do governo, a flexibilização da política monetária contribuirá para a retomada do crescimento. Quanto mais perseverarmos nas reformas e ajustes, mais rápida será a recuperação econômica, com geração de emprego e renda para os brasileiros”, disse Ilan Goldfajn .  

A Selic atualmente é de 12,25% ao ano. Boletim Focus divulgado na segunda-feira (3) aponta que os economistas apostam que a taxa básica de juros pode chegar a um dígito este ano, ao fechar o ano em 8,75%.

Para que o Comitê de Política Monetária (Copom) possa reduzir ainda mais a taxa básica de juros, Goldfajn afirmou que em primeiro momento o mais importante era fazer com que as projeções para a inflação, medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), ficasse na meta, que é de 4,5%.

Você viu?

Leia também: Balança comercial brasileira tem superavit de US$ 7,14 bilhões em março

“Essa evidência também corrobora a necessidade de a política monetária primeiro ancorar as expectativas de inflação para depois iniciar o processo de flexibilização monetária. E não tentar o contrário, com resultados duvidosos”, destacou o presidente do BC.

Meta inflacionária

A meta de inflação é de 4,5%, com limite inferior de 3% e superior de 6%. Na audiência em Brasília na manhã desta terça-feira (4), o presidente do Banco Central lembrou que a expectativa do mercado para a inflação ao final de 2017 está em 4,1%. Para 2018, a projeção é de 4,5%.

“Com expectativas ancoradas, o Banco Central iniciou no final do ano passado um processo de flexibilização monetária sustentável. E há expectativa, por parte dos analistas de mercado, de flexibilização adicional no futuro”, acrescentou Ilan Goldfajn. Atualmente, a Selic está em 12,25% ao ano.

*Com informações da Agência Brasil

Leia também: Banco Central: Mercado espera que taxa de juros caia para 8,75% até o fim do ano

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários