Tamanho do texto

Pesquisa mensal do IBGE mostra acréscimo de 0,2% nos supermercados, alimentos, bebidas e fumo e de 4,1% em tecidos, vestuário e calçados

Brasil Econômico

Segundo IBGE, queda na receita nominal do varejo ampliado foi de 0,9%
iStock
Segundo IBGE, queda na receita nominal do varejo ampliado foi de 0,9%

De acordo com a Pesquisa Mensal de Comércio (PMC) divulgada nesta quinta-feira (30) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o volume de vendas do comércio varejista brasileiro apresentou queda de 0,7% entre dezembro do ano passado e janeiro de 2017.

Leia também: Fazenda defende aumento de impostos para cumprir meta fiscal de 2017

A pesquisa do IBGE mostra que é a segunda retração consecutiva registrada pelo indicador, que havia recuado 1,9% entre novembro e dezembro de 2016. As vendas também apontaram decréscimo de 0,6% na média móvel trimestral, 7% na comparação com o mesmo mês do ano passado e 5,9% no acumulado de 12 meses.

Referente a passagem de dezembro para janeiro, houve predomínio de resultados negativos, com queda em seis das oito atividades apuradas no levantamento. Equipamentos e matérias para escritório, informática e comunicação apresentou o maior recuo, com  retração de 4,8%.

Em seguida ficaram os setores de livros, jornais, revistas e papelaria, com  queda de 1,9%, outros artigos de uso pessoal e doméstico, com resultado negativo de 1,8%, artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos e de perfumaria, com queda de 1,1% e móveis e eletrodomésticos, com recuo de 0,1%.

Supermercados

Por outro lado, alguns acréscimos foram observados nos setores, sendo eles: o de supermercados, alimentos, bebidas e fumo, com 0,2% e tecidos, vestuário e calçados, com 4,1%.

Leia também: Após polêmica entre Doria e Amazon, outras empresas prometem doações à cidade

No chamado varejo ampliado, que inclui setores de veículos e peças e de materiais de construção, o decréscimo nas vendas foi de 0,2%. Já os materiais de construção registraram recuo de 0,8%, porém com crescimento de 0,3% em veículos e peças.

Em comparação a janeiro do ano passado, o varejo ampliado caiu 4,8%, porém manteve sua estabilidade na média móvel trimestral. Em relação ao acumulado de 12 meses o recuo foi de 7,9%.

Receita nominal

A receita nominal do comércio também apresentou queda de 0,8% se comparado ao último mês de 2016. Na média móvel trimestral, o decréscimo foi de 0,7% e de 2,3% na comparação com janeiro do ano passado. Em contrapartida, uma alta de 4,2% foi observada no acumulado de 12 meses.

Segundo o IBGE, no que se diz respeito à receita nominal (sem descontar a inflação) do varejo ampliado, a retração foi de 0,9% na comparação com dezembro de 2016, 0,4% na média móvel trimestral, 1,7% em relação a janeiro de 2016 e 0,4% no acumulado de 12 meses.

Leia também: Operação Carne Fraca: JBS anuncia férias coletivas após queda nas vendas