Brasil Econômico

Brasil Econômico

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou nesta quarta-feira (29) um recuo de 2,2% apresentado pelo setor de serviços, na série livre de influências sazonais em janeiro de 2017 e em comparação ao mesmo mês do ano passado.  

Leia também: Ministério da Justiça suspende recall de dois frigoríficos investigados

undefined
iStock
IBGE aponta crescimento de 5,5% no segmento de serviços de informação e comunicação

De acordo com o IBGE , em dezembro o setor de serviços apresentou acréscimo de 0,7% ante a 0,0% de novembro. Na série sem ajuste sazonal e em comparação ao mês anterior, o setor caiu 7,3%. Com isso, a taxa acumulada do ano ficou negativa em 7,3% e em queda de 5,2% em 12 meses.

Segmentos

Em janeiro e na série livre de influências sazonais, o segmento de serviços de informação e comunicação cresceu 5,5%. Por outro lado, o segmento serviços profissionais, administrativos e complementares registrou decréscimo de 14,5%, assim como serviços prestados às famílias, outros serviços e transportes, serviços auxiliares dos transportes e correio, com recuos de 3,6%, 3% e 0,7%, respectivamente.

No que se diz respeito ao agregado especial das atividades turísticas, a retração foi de 11% na comparação com o mês anterior.

Levando em consideração a composição da taxa global de volume, sem ajuste sazonal, os segmentos que mais se destacaram foram serviços profissionais, administrativos e complementares, com -3,2 pp; serviços prestados às famílias, com -1,9 pp; transportes, serviços auxiliares dos transportes e correio, com -1,1 pp; outros serviços, com -0,9 pp e serviços de informação e comunicação, com -0,2 pp.

Também em janeiro, a receita nominal apontou variação de -1% ante ao resultado de dezembro.  Se comparado ao mesmo mês do ano passado, a variação sem ajuste sazonal foi de -2%. Já a taxa acumulada no ano, sem ajuste sazonal ficou em -2% e -0,2% em 12 meses.

Resultados regionais

Em relação aos resultados regionais do mês, Mato Grosso, Alagoas e Piauí apresentaram as maiores variações positivas, com 31,1%, 13,8% e 12,6%, respectivamente. Em contrapartida, Roraima e Amapá variaram negativamente, ambas com -13,1%, assim como Sergipe, com -12,8% e Maranhão, com -8,1%.

Leia também: Correios precisam cortar gastos para evitar privatização, diz Kassab

Se comparado a janeiro de 2016, as maiores variações positivas foram registradas em Alagoas, com 14,7%, Piauí, com 8,1% e Ceará, com 2,6%. Enquanto as negativas foram observadas em Rondônia, com -25,6%, Tocantins, com -24,5% e Amapá, com -24,4%.

Na comparação janeiro de 2017 e dezembro de 2016, as maiores variações registradas no volume de serviços foram as seguintes: Pernambuco, com 16,1%, Minas Gerais, com 12,1%, Santa Catarina, com 5,5%, Bahia, com 4,7%, Goiás, com 4,3%, Espírito Santo, com 3,7% e Ceará, com 2,5%.

Por outro lado, São Paulo, Distrito Federal, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro e Paraná variaram negativamente, com -28,6%, -21,4%, -8,9%, -4% e -1,5%, respectivamente.

As informações fornecidas pelo IBGE ainda ressaltaram que se comparado ao mesmo mês do ano anterior, as variações positivas foram obtidas em Pernambuco, com 19,8,%, Goiás, com 11,9%, Minas Gerais, com 5,7% e Bahia, com 4,1%. Já os resultados negativos foram do Distrito Federal, com -34,9%, São Paulo, com -23,2%, Rio de Janeiro, com -13,6%, Espírito Santo, com -9,4%, Rio Grande do Sul, com -7,6%, Ceará, com -6,4% e Paraná, com -5,1%.

Leia também: Governo poderá anunciar aumento de impostos nesta quarta-feira

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários