Agência Brasil

undefined
shutterstock
Apesar da suspensão do recall, produtos da Trasmeat e da Souza Ramos foram interditados em restaurantes por três meses

O recall de produtos dos frigoríficos Transmeat e Souza Ramos, ambos investigados na Operação Carne Fraca, foi suspenso por dez dias pelo Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor (DPDC), do Ministério da Justiça. A medida acatou um pedido que havia sido feito pelas empresas.

Leia também: Economistas divergem sobre reforma da Previdência em comissão na Câmara

Segundo nota divulgada pelo ministério na noite desta terça-feira (28), o prazo de suspensão do recall é para que as empresas "comprovem a rastreabilidade de seus produtos, após atestado do responsável técnico das empresas de que não havia risco à saúde dos consumidores". As apurações sobre a qualidade dos produtos continuam no âmbito do departamento.

No último dia 24, Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon) havia determinado que as duas empresas, mais a Peccin, recolhessem toda a carne e produtos derivados provenientes de três unidades sob suspeita de irregularidades investigadas pela Polícia Federal. As plantas industriais funcionam, respectivamente, em Balsa Nova (PR); Colombo (PR) e Curitiba (PR).

As assessorias da Transmeat e da Souza Ramos afirmaram que um mandado de segurança foi ajuizado na última segunda-feira (27). As empresas dizem estar recolhendo os produtos colocados à venda, mas somente quando procuradas pelos consumidores.

Leia também: Correios precisam cortar gastos para evitar privatização, diz Kassab

Além disso, grande parte dos varejistas que tinham adquirido mercadorias pediram a devolução das mesmas assim que a PF tornou público as suspeitas de irregularidades na produção e fiscalização de todo o setor – ou seja, antes de a Senacon ter feito a determinação.

A Transmeat diz que não faz sentido determinar o recolhimento de parte de sua produção, tendo em vista que o frigorífico não foi interditado e que a empresa segue colocando novos lotes dos produtos à venda.

No caso da Souza Ramos, a empresa assegura que seus produtos são rastreados com o uso do mesmo sistema informático usado por outras duas empresas investigadas pela PF, a JBS e a BRF.

Leia também: Governo poderá anunciar aumento de impostos nesta quarta-feira

Proibição em restaurantes

Apesar da suspensão do recall, os dois frigoríficos – juntamente com o Peccin – tiveram seus produtos interditados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Com isso, bares e restaurantes estão impedidos de comercializar carnes e outros produtos de quatro unidades das empresas pelo período de três meses. O veto à comercialização e o preparo das carnes provenientes desses estabelecimentos foi publicada no Diário Oficial da União nesta terça-feira.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários