Tamanho do texto

A companhia United Airlines foi duramente criticadas na redes sociais após o fato ocorrido no último domingo (26) no Aeroporto de Denver, nos EUA

United Airlines explica o que motivou a não permissão de passageiras vestindo calças leegings
Reprodução
United Airlines explica o que motivou a não permissão de passageiras vestindo calças leegings


Muitos passageiros procuram conforto durante suas viagens de avião, ainda mais quando o voo levará honras, não é mesmo? Entretanto, três adolescentes foram impedidas de embarcar pela companhia aérea United Airlines no domingo (26). O caso ocorreu no Aeroporto de Denver, nos Estados Unidos (EUA), em voo que tinha como destino a cidade de Minneappolis, em Minnesota (EUA).

Leia também: Consumidoras acusam marca de cosmético de criar produto que causa calvície

As três adolescentes vestiam calças leegings, modelo justo ao corpo, entretanto não imaginam que o traje poderia causar tanto transtorno. Relato de passageiros que viram a abordagem dos funcionários da United Airlines tomaram as redes sociais, em especial os posts no Twitter da ativista norte-americana, Shannon Watts. Na plataforma ela twittou o seguinte protesto: “Um agente da @united não está deixando garotas entrarem em um voo de Denver para Minneapolis porque elastano (tecido da legging) não é permitido?”.

Em outro post ela acusou a empresa de ser sexista, pela atitude da United de proibir o embarque das adolescentes usando uma calça leeging. “Esse comportamento é machista e sexualiza jovens garotas. Sem mencionar que as famílias ficaram constrangidas e incomodadas”, enfatizou Shannon em seu Twitter. A ativista afirmou ainda que o pai de uma das adolescentes vestia um short e tênis e não foi impedido de embarcar para Minneappolis.

O post rapidamente viralizou e inúmeros consumidores pediram um boicote a companhia aérea após o fato do último domingo (26). As críticas afirmavam que a empresa teve uma posição machista em relação à postura de não permitir o embarque. Outro comentário questionou: “desde quando a United passou a policiar roupas femininas”.

O caso repercutiu tão rapidamente e de forma negativa que celebridades protestaram contra empresa e até ameaçaram parar de voar com a United Airlines. Entre as celebridades que protestaram contra o fato está à modelo Chrissy Teigen.  Uma das três adolescentes, por ter uma troca de roupa em sua bagagem de mão, conseguiu se trocar rapidamente. Porém as outras duas não puderam pegar o voo.

Leia também: Marcas são acusadas de vender azeite indicado ao uso industrial como alimento

Defesa

A alegação da companhia aérea norte-americana é que o traje que as adolescentes usavam não estava de acordo com o “dress code”, ou código de vestimenta, da empresa. As adolescentes viajavam com passagens específicas para funcionários e familiares de colaboradores da companhia aérea, identificada pela companhia como “Pass Riders”.  

A United Airlines emitiu um breve comunicado em seu Twiiter em resposta as críticas da ativista. A empresa aproveitou para ressaltar que, não impõe um código de vestimenta a seus clientes, faz isso apenas com funcionários e parentes de funcionários que tem o benefício de voar pela empresa, já que eles representam a companhia aérea, logo devem estar vestidos de acordo.

* Com informações da Ansa e do The Guardian

Leia também: Seis frigoríficos são interditados pelo Ministério da Agricultura; veja quais