Brasil Econômico

undefined
shutterstock
Empresas do cartel se reuniam periodicamente para fixar preços, controlar oferta e dividir o mercado

A Superintendência-Geral do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) recomendou a condenação de 20 empresas e três entidades sindicais do setor de sal por formação de cartel no mercado nacional de sal marinho. Segundo o órgão, o consumidor brasileiro comprou sal com sobrepreço médio de 20% por quase 30 anos. O caso será julgado pelo Tribunal do Cade.

Leia também: Reforma da Previdência é necessária para reduzir juros, defende Goldfajn

A recomendação foi publicada nesta sexta-feira (23) no Diário Oficial da União. De acordo com a superintendência, que sugeriu a aplicação de multas de 0,1% a 20% do faturamento bruto de cada empresa do cartel em 2012, a combinação de preços ocorreu entre os anos de 1984 e 2012. Foi apurado pela investigação que as entidades representativas do setor fixava preços em reuniões periódicas e pretendiam criar um conglomerado de empresas para controlar a oferta de sal.

O impedimento da venda de mais sal por produtores aos refinadores para diminuir a quantidade de produto no mercado e evitar a queda do preço está entre as evidências encontradas. O Cade afirma que as empresas dividiam o mercado por meio de quotas de produção por empresa, com clientes cativos para cada uma delas. A superintendência verificou ainda que quatro empresas organizaram conluio paralelo para obter vantagens em licitações públicas para a aquisição de sal refinado promovidas pela Empresa Baiana de Alimentos (Ebal).

Investigação

A investigação do Cade teve início em 2013, um ano após operação de busca e apreensão realizada em escritórios das empresas e entidades sindicais investigadas. Os documentos recolhidos e as provas produzidas mostraram que as 20 maiores empresas do setor se reuniam periodicamente para fixar os preços, controlar a oferta e dividir o mercado entre si.

Leia também: Empresa deve indenizar mecânico que trabalhou 30 anos sem férias integrais

As condutas, segundo a Superintendência-Geral do Cade, recebiam apoio das três principais entidades representativas do setor. Foram acusados o Sindicato da Indústria de Sal (Siesal), o Sindicato da Indústria de Moagem e Refino de Sal do Rio Grande do Norte (Simorsal) e a Associação Brasileira dos Extratores e Refinadores de Sal (Abersal).

Uma das empresas, a Salina Diamante Branco, assinou, em novembro de 2014, um termo de compromisso de cessação e concordou em pagar multa de R$ 5,5 milhões e colaborar com as investigações.

Defesa

Foi argumentado pela Abersal, nas alegações finais do processo, que a denúncia partiu de uma empresa concorrente controlada por um grupo alemão que lidera a produção de sal no mundo. De acordo com a entidade, a empresa, ao mesmo tempo em que acusava o suposto cartel, praticava dumping (redução artificial de preços) no mercado nacional para prejudicar os produtores nacionais. O sindicato afirma que os investigadores não colheram informações de mercado nem ouviram testemunhas.

O Simorsal alegando não ter tido amplo direito à defesa, informou que as atas das reuniões demonstravam que os participantes não discutiam a fixação de preços, mas a extração de sal marinho no Rio Grande do Norte, o maior produtor nacional da mercadoria. O sindicato informou que trabalha com a educação e a capacitação dos associados, prática que não caracteriza cartel.

Leia também: Operação Carne Fraca: carnes de três frigoríficos deverão ser recolhidas

As acusações de cartel, para o Siesal, são absurdas e que o grande número de empresas do setor de sal marinho inviabiliza a combinação de preços. Segundo a entidade, os aumentos de preços verificados em 2008 e 2011 não decorreram da formação de cartel, mas da quebra da produção de sal provocada pelo aumento das chuvas na costa do Rio Grande do Norte naqueles anos.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários