Tamanho do texto

Suspensão vale "até novas notificações" e inclui tanto o comércio de frango quanto de outros produtos com origem nas unidades investigadas no Brasil

Assim como a China e a União Europeia, Japão e México  optou por suspender importação da carne brasileira
Arquivo/Tânia Rêgo/Agência Brasil
Assim como a China e a União Europeia, Japão e México optou por suspender importação da carne brasileira

Japão e México anunciaram, nesta terça-feira (21), que vão interromper a importação da carne brasileira devido aos 21 frigoríficos que são alvo da Operação Carne Fraca, deflagrada na última semana pela Polícia Federal (PF).

A suspensão aplicada no Japão , de acordo com o que foi informado pela embaixada, vale "até novas notificações" e inclui tanto o comércio de frango quanto de outros produtos com origem nas unidades investigadas.

Leia também: Governo pretende conceder mais dez aeroportos para a iniciativa privada

No México, a Secretaria de Agricultura afirmou, por meio de um comunicado à imprensa, que a importação das carnes brasileiras no país foi definida pelo Serviço Nacional de Saúde, Segurança e Qualidade Alimentar.

Segundo o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) do Brasil, 18 estabelecimentos são do Paraná, dois de Goiás e um de Santa Catarina, pertencentes a grandes empresas como a JBS e a BRF.

Exportação

O ministério deve divulgar, até o final da noite, um balanço do total de países que adotaram medidas semelhantes. De acordo com a pasta, a informação até o momento é de que o Japão apenas pediu esclarecimentos ao governo brasileiro sobre o assunto. Outro país que suspendeu temporariamente a entrada de carne brasileira foi a China.

Leia também: Meirelles defende terceirização e diz que projeto vai facilitar contratações

Coreia do Sul

A Coreia do Sul também havia anunciado a suspensão da importação de produtos do Brasil na última segunda-feira (20). Nesta terça-feira, no entanto, o país revogou a medida que suspendia a entrada do frango brasileiro. O Ministério da Agricultura sul-coreano informou que vai intensificar a fiscalização dos alimentos importados do Brasil e exigir de sua fornecedora um certificado de saúde emitido pelo governo brasileiro.

A BRF afirmou em comunicado que a empresa não havia sido notificada da suspensão: “Diferentemente do que vem sendo noticiado, a BRF informa que não recebeu nenhuma notificação oficial das autoridades brasileiras ou estrangeiras a respeito da suspensão de suas fábricas por países com os quais mantém relações comerciais, incluindo Coreia do Sul e União Europeia”.

Leia também: Desembolsos do BNDES  no 1º bimestre são 16% inferiores aos do ano passado

O governo sul-coreano considerou o comunicado do governo brasileiro enviado na segunda-feira para tomar a decisão de revogar a medida. Foi informado à Coreia do Sul que a carne em que foram constadas irregularidades não foi exportada para o país. No entanto, Hong Kong e a União Europeia – que, assim como o Japão, suspenderam a importação da carne brasileira – tiveram confirmado o recebimento de lotes fora do padrão.