Tamanho do texto

Anteriormente os planos da Planjuris eram exclusivos ao mundo corporativo. A partir de agora, quem se interessar, pode se associar a empresa; veja

O conceito diferenciado de atuação da Planjuris, empresa de assistência jurídica, chamou a atenção do mercado, tanto que pouco mais de sete meses, a empresa ampliou a sua operação.  A partir de agora qualquer pessoa interessada em ter a assistência de um advogado pode contratar o plano individual Planjuris.

Leia também: Empresária cria plano de assistência jurídica e já atende 50 mil clientes

CEO da Planjuris, Fernanda Saenger tem 30 anos de experiência em direito e quer dar acesso a um advogado a toda população com plano de assistência jurídica
Divulgação
CEO da Planjuris, Fernanda Saenger tem 30 anos de experiência em direito e quer dar acesso a um advogado a toda população com plano de assistência jurídica


A fundadora da empresa, Fernanda Saenger, quando idealizou o plano de negócios da PlanJuris há pouco mais de sete meses,  focou no segmento corporativo, em que o benefício de se ter assistência jurídica com o conceito similar a um de um convênio médico era ofertado pelo empregador aos seus colaboradores.

Entretanto, o sucesso e a identificação do número crescente de trabalhadores que estão na informalidade por conta do alto índice de desemprego no País, levou a empresária ampliar a sua atuação e criar o plano individual. “Com a repercussão do nosso trabalho começamos a receber uma demanda muito grande de pessoas que queriam aderir ao Planjuris, porém não tinham vínculo com nenhuma empresa”.

Fernanda explicou que no processo de formatar o novo escopo de negócio identificou um número crescente de brasileiros que necessitavam de assistência jurídica e viram vantagem em ter um plano jurídico ao invés de procurar e contratar um advogado toda vez que precisar de um respaldo jurídico. “Criamos um plano individual com mensalidade de R$ 30 e tem uma adesão de 12 meses”.

O consumidor interessado em aderir ao plano individual tem acesso ilimitado à plataforma da Planjuris e do aplicativo, porém tem um limite, sendo que nesse plano o conveniado tem direito a assistência jurídica penal, menos em causas com tribunal de júri. “O conveniado conta com aceso a toda plataforma da PlanJuris, assistência jurídica, só tem essa pequena exceção”, explicou Fernanda.

Leia também: 10 direitos trabalhistas assegurados pela Lei CLT no Brasil

Novos negócios

O empresário explicou que o plano difere do ofertado às empresas, tornando o acesso ao conceito da PlanJuris o mais acessível e justo a todos os interessados. Outra novidade que foi antecipada ao Brasil Econômico por Fernanda é a abertura da marca Planjuris para licenciamento. “Tivemos uma procura enorme de escritórios de advocacia querendo se associar a nossa marca. Para atender essa demanda, desenvolvemos uma consultoria para encontrar escritórios em todo o País e no Mercosul para parceria”.

A Planjuris analisa a estrutura do escritório interessado na parceria e após a assinatura do contrato a empresa leva para esse local todo o conceito e identidade visual da marca. “O escritório passa usar a marca Planjuris, nosso escopo de negócio e identidade visual”, explicou a empresário que tem mais de 30 anos de experiência como advogada.  Para esse modelo de negócio, os escritórios interessados desembolsam R$ 10 mil e pagam uma taxa de royalties de 4,5%.  

Em pouco mais de sete meses de atuação a Planjuris já teve contratado mais de  50 mil planos de assistência jurídica e segundo a fundadora, a inovação do modelo de negócio levou a marca a concorrer ao Prêmio Innovare no ano passado. “Em princípio as pessoas se assustam com a ideia, porém ao compreender os benefícios propostos pelo sistema, se surpreender” disse ao exemplificar como funciona esse atendimento particular. “Quando existe a necessidade de se fazer um inventário, após o falecimento do pai ou da mãe, ele não terá de pagar o honorário do profissional nem os 6% de monte-mor”.

Leia também: Tecnologia a serviço da justiça do trabalho