Tamanho do texto

Fundação Getulio Vargas (FGV) apontou crescimento de 5,11% no Índice Geral de Preços (IGP-10) em 12 meses e taxa acumulada de 1,07%

Brasil Econômico

Índice de Preços ao Consumidor (IPC) da FGV registrou variação de 0,32% em março
iStock
Índice de Preços ao Consumidor (IPC) da FGV registrou variação de 0,32% em março

Nesta quarta-feira (15) o Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV) divulgou uma variação de 0,05% sofrida pelo Índice Geral de Preços – 10 (IGP-10) em março. De acordo com a Fundação, a taxa apurada em fevereiro foi de 0,14%. Se comparada a março do ano passado, a variação foi de 0,58%.

Leia também: Deficit da Seguridade Social teve aumento de 55,4% em 2016, diz governo

Em relação aos 12 meses, o Índice Geral de Preços da FGV cresceu cerca de 5,11%. Vale ressaltar que o IGP-10 é calculado por meio dos preços registrados entre os dias 11 do mês anterior e 10 do mês de referência.

IPA

O índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA) apresentou variação de -0,12% neste mês, ante a -0,03% de fevereiro. No que se diz respeito aos bens finais, a taxa passou de -0,81% para -0,13%. O principal contribuinte para o resultado do indicador foi o subgrupo alimentos in natura, ao passar de -6,84% para 4,33%. Já o índice relativo a bens finais, calculado sem os subgrupos in natura e combustíveis para consumo variou de -0,25% em fevereiro para -0,31% em março.

O indicador do grupo bens intermediários também apresentou variação, com -0,16%. No mês anterior a taxa havia sido de 1,32%. Apresentando recuo, 3 dos 5 subgrupos que compõem o índice registraram decréscimos, com destaque para combustíveis e lubrificantes para a produção, indo de 4,08% para -3,24%. É importante lembrar que o índice de bens intermediários, determinado após a exclusão do subgrupo citado acima, variou 0,33% em março, contra 0,90% em fevereiro.

O índice do grupo matérias-primas brutas apontou variação de -0,07% neste mês. Em fevereiro a taxa foi de -0,56%. Com a aceleração observada em março, os itens aves, minério de ferro e leite in natura foram evidenciados, ao passarem de -8,82%, 2,30% e 0,03% para 0,22%, 4,25% e 5,93%, respectivamente.

Por outro lado, itens como mandioca, café em grão e laranja apresentaram retração, indo de 8,78%, 3,02% e 12,23% para 1,85%, -3,03% e 5,51%, no mesmo período.

Leia também: Correios fecham parceira com Serasa Experian para estimular negócios no Brasil

IPC

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) registrou variação de 0,32% em março, com recuo de 3 das 8 classes de despesa do indicador, com destaque para o grupo educação, leitura e recreação, indo de 2,99% para 0,01%. O item cursos formais também foi evidenciado para o movimento do índice, ao variar de 5,98% para 0,00%.

Os grupos transportes e comunicação, bem como os itens tarifas de ônibus e tarifa de telefone também registram decréscimos, indo de 0,85%, 0,37%, 2,70% e -0,08% para 0,38%, -0,29%, 0,22% e -1,42%, respectivamente.

Em contrapartida, o grupo habitação variou positivamente de 0,35% para 0,64%, assim como alimentação, que passou de -0,01% para 0,11%, saúde e cuidados pessoais, de 0,42% para 0,50%, vestuário, de -0,12% para 0,05% e despesas diversas, de 0,30% para 0,56%.

Nestas classes de despesa, vale ressaltar o comportamento de itens como tarifa de eletricidade residencial, que variou de -0,26% para 2,00%, tal como hortaliças e legumes, indo de -1,46% para 1,66, medicamentos em geral, de -0,03% para 0,22%, roupas, de-0,45% para -0,06% e  cigarros de 0,00% para 0,66%%.

INCC

Os dados divulgados pela FGV ainda apontaram variação de 0,59% no Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) em março, em relação ao de 0,36%, do mês anterior. O índice referente a materiais, equipamentos e serviços variou 0,35% ante a 0,55% de fevereiro. Já o índice que representa o custo da mão de obra apresentou variação de 0,79% em março e de 0,19% em fevereiro.

Leia também: Vendas de imóveis devem voltar a crescer em São Paulo, diz sindicato