Tamanho do texto

Após a polêmica campanha de 2015, Skol dá nova cara à sua publicidade; empresa convidou ilustradoras para darem o seu toque à antigos pôsteres

Brasil Econômico

Datas marcantes como o Dia Internacional da Mulher e da Consciência Negra são alguns dos momentos onde discussões reflexivas acerca da sociedade e como ela é representada acontecem. E nestes casos a publicidade tem papel importante, uma vez que pode ser usada como ferramenta de luta e engajamento em favor da diversidade. 

Leia também: Empresa abre vaga para testador de motel e recebe 15 mil currículos em dois dias

Publicidade:  à esquerda a arte da Evelyn Queiroz e à direita da Sirlaney Nogueira
Divulgação
Publicidade: à esquerda a arte da Evelyn Queiroz e à direita da Sirlaney Nogueira

Algumas empresas utilizaram seu poder de alcance e fizeram – ou pelo menos tentaram – trazer uma conscientização sobre algumas demandas sociais e agradaram após levantar bandeiras e até mesmo se redimir de erros passados por meio de sua publicidade .

Esse é o caso da marca de cerveja Skol, que há alguns anos fez uma polêmica campanha de carnaval com o slogan “Deixe o ‘não’ em casa” e que se redimiu na última quarta-feira (9) ao surpreender o público com uma releitura de antigas campanhas publicitárias ao chamar mulheres artistas para darem um novo e pessoal toque nos pôsteres.

No comercial de pouco mais de um minuto seis ilustradoras, além de apresentarem a sua releitura das imagens, ressaltam suas opiniões ao falarem sobre a importância do que está sendo feito.




C&A

Outra campanha que mostra como as coisas estão em transição é a loja de roupas C&A, que em um de seus comerciais abordou o tema “roupas sem gênero”. A iniciativa rompe com antigos discursos como “isso é masculino e isso é feminino”, o que gera uma limitação muito grande do que se pode ou não usar. Como se – ainda mais para a moda – isso valesse, não é mesmo?




Leia também: Pesquisa aponta que mulheres preferem carreira aos serviços domésticos

Secret

Uma campanha muito emocionante foi do a desodorante Secret, que mostra uma mulher transexual inibida de sair do box do banheiro ao perceber que mulheres cisgênero estão conversando proximamente. Obviamente que essa tensão – mesmo que breve, mas o suficiente para causar uma transpiração – se deve ao preconceito existente na sociedade e a falta da mesma sobre o assunto.




AVON

Estatísticas evidenciam que no Brasil mais da metade da população é composta por pessoas negras. Entretanto existe uma notável falta de diversidade de produtos para essa parcela da população, ainda mais quando o assunto é maquiagem. E para atender essa obrigação – mascarada de demanda – a Avon lançou uma campanha que mostra a diversidade étnica do País para divulgar o seu produto.




Dove

Há alguns anos atrás existia uma imposição muito grande contra cabelos cacheados. Apenas era – e infelizmente é para muita gente – considerado “conveniente” as madeixas lisas, sem as ondas encantadoras dos cabelos crespos. Em um campanha da Dove, crianças – isso mesmo, crianças – dão depoimentos falando que não gostam de seus cabelos. E é muito curioso como a marca “resolve” esse conflito na publicidade tão triste vivido por elas em plena infância




Leia também: "Livro para mulheres" e cerveja rosa: veja gafes de empresas com as consumidoras