Tamanho do texto

Segundo o presidente do TST,Ives Gandra Martins, a decisão é válida até o fim das investigações e para evitar prejuízos aos inocentes das acusações

Presidente do Tribunal Superior do Trabalho suspende divulgação de lista que cita empresas que estão sendo processadas por  condições análogas à de escravo
Shuttersock
Presidente do Tribunal Superior do Trabalho suspende divulgação de lista que cita empresas que estão sendo processadas por condições análogas à de escravo


O pedido da União para suspender a decisão do Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região (DF- TO) suspensão da divulgação do cadastro de empregadores que respondem a algum processo por submissão de trabalhadores a condições análogas à de escravo foi deferida pelo presidente do Tribunal Superior do Trabalho (TST), o ministro Ives Gandra Martins.

Leia também: Fiscalização flagra trabalho escravo e infantil em marca de roupas de luxo em SP

Segundo a nota enviada pela Secretaria de Comunicação Social do Tribunal Superior do Trabalho o efeito suspensivo da divulgação da lista é válido até a conclusão dos trabalhos do grupo tripartite instituído pelo Ministério do Trabalho a fim de discutir a matéria.

Decisão

Ao deferir o efeito suspensivo, o ministro Ives Gandra Filho assinalou que, “por se tratar de política pública capitaneada pelo Executivo, não cabe ao Judiciário a ingerência na estratégia implementada”, informou a nota.

O TST informou ainda que Ives Gandra Martins observou em sua decisão que tanto o Ministério do Trabalho como o Ministério das Mulheres, da Igualdade Racial e dos Direitos Humanos, maiores interessados na divulgação da lista, estão em consonância sobre a necessidade de resguardar a divulgação da lista pelo menos até que o grupo de trabalho apresente relatório sobre as propostas ali discutidas, e ressaltou que se trata de grupo tripartite, inclusive com representantes das Centrais Sindicais.

Leia também: Dona da M. Officer é condenada pela prática de trabalho escravo

Outro aspecto apontado pelo ministro foi o prejuízo que a divulgação de nomes indevidamente inseridos no cadastro pode ocasionar. “O nobre e justo fim de combate ao trabalho escravo não justifica atropelar o Estado Democrático de Direito, o devido processo legal, a presunção de inocência e o direito à ampla defesa”, afirmou. “O Ministério do Trabalho, de posse da lista de possíveis infratores, dela se vale para primeiro fiscalizá-los devidamente, além de buscar, no trabalho conjunto com o MPT, a composição social por intermédio de Termo de Ajustamento de Conduta, antes da divulgação dos nomes ao público”.

Finalmente, Ives Gandra Filho explicou que o objeto da ação civil pública é justamente a publicação da lista – e a liminar obriga a União a publicá-la antes da decisão de mérito. Assim, sua concessão viola o artigo 1º, parágrafo 3º, da Lei 8.437/92, que considera incabível medida liminar que esgote o objeto da ação.

A divulgação da lista foi determinada pelo juízo da 11ª Vara do Trabalho de Brasília em ação civil pública ajuizada pelo Ministério Público do Trabalho (MPT), e mantida pelo TRT. No pedido de suspensão da medida interposto no TST, a União alega que as instâncias inferiores partiram da premissa equivocada de que a União desejaria extinguir o cadastro, quando a sua divulgação foi suspensa apenas temporariamente a fim de aperfeiçoá-lo, visando à garantia da segurança jurídica.

Leia também: Entidades pedem volta da lista do trabalho escravo, suspensa pelo governo