Tamanho do texto

Segundo FGV, 5 dos 19 segmentos industriais pesquisados registraram concentração da queda na confiança, reforçando movimento de acomodação

FGV aponta nível de demanda atual como maior contribuinte para queda no ISA
shutterstock
FGV aponta nível de demanda atual como maior contribuinte para queda no ISA

A Fundação Getulio Vargas divulgou nesta sexta-feira (24), um recuo de 1,2 ponto no Índice de Confiança da Indústria em fevereiro, ao passar para 87,8 pontos. Em janeiro, o índice teve um avanço de 4,3 pontos. Em relação à métrica de médias móveis trimestrais o aumento foi de 0,5 ponto, segunda alta consecutiva, indo para 87,2 pontos.

LEIA MAIS: IBGE: Brasil tem 12,9 milhões de desempregados; pior resultado desde 2012

“A queda do ICI em fevereiro segue-se a uma alta expressiva do índice, retratando um movimento de acomodação. Após avançar além do que os fundamentos da economia sugeriam entre abril e setembro do ano passado, o índice encontra-se agora em patamar mais realista. O cenário econômico, que enfim inclui notícias favoráveis à atividade como a queda de juros e injeção de recursos das contas inativas do FGTS, pode levar a novos ganhos de confiança, caso o ambiente político não se deteriore nos próximos meses”, afirmou o superintendente de estatísticas públicas da FGV, Aloisio Campelo Junior.

Índice de Expectativas

Cerca de 5 dos 19 segmentos industriais pesquisados registraram concentração na queda da confiança, reforçando um movimento de acomodação. Com alta de 4,7 pontos no mês passado, o Índice de Expectativas (IE) também registrou baixa, com recuo de 1,7 ponto, ao passar para 89,3 pontos. Com uma diminuição menos intensa, o Índice de Situação Atual (ISA) retraiu 0,6 ponto, com atuais 86, 4 pontos.

Entre os quesitos que compõem o IE, a maior contribuição para a piora das expectativas mensais partiu das previsões para a produção nos três meses seguintes. O indicador teve queda de 2 pontos em fevereiro, passando para 88,1 pontos, menor nível desde os 80,8 pontos registrados em maio de 2016. Também houve redução no percentual de empresas responsáveis por projetar a aumento da produção, passando de 32,6% para 27,6%, prevendo uma produção ainda menor de 20,6% para 19,3%.

LEIA MAIS: Intransigências em negociação salarial  marcam reunião entre empresas de TI

Nível de demanda

Em relação à diminuição do ISA neste mês, o maior contribuinte foi o nível de demanda atual. O indicador caiu 2,3 pontos, ao passar para 82,9 pontos. Já o percentual das empresas que avaliam esse nível, passou de 6,3% para 5,9% do total, considerado um pequeno aumento de 31,3% para 38,7%. Vale ressaltar que o resultado engloba a acomodação das avaliações sobre o mercado externo, com patamar elevado e melhora da percepção do mercado interno.

De acordo com a FGV, o Nível de Utilização da Capacidade Instalada (NUCI) apresentou diminuição de 0,3 ponto percentual em fevereiro, ao passar para 74,3%. Na métrica de médias móveis trimestrais, o NUCI registrou alta de  0,2 ponto percentual, indo para 73,9% e  mantendo-se com resultado positivo.

*Com informações da Agência Brasil

LEIA MAIS: Socorro a estados com problemas financeiros custará R$ 37 bilhões à União

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.