Tamanho do texto

Segundo o Banco Central, com o resultado em janeiro o indicador chega ao índice mais alto desde o início da série histórica em março de 2011; veja

Brasil Econômico

Juros do rotativo do cartão de crédito tem novo recorde em janeiro, diz Banco Central
shutterstock
Juros do rotativo do cartão de crédito tem novo recorde em janeiro, diz Banco Central


Dados do Banco Central (BC) divulgados nesta quinta-feira (23) apontaram que a taxa de juros do rotativo do cartão de crédito teve alta neste começo de ano e atingiu um novo recorde. A taxa chegou a 486,8% em janeiro, o que representa alta de 2,2 pontos percentuais na comparação com dezembro e sendo considerada a maior taxa desde o inicio da sério histórica do indicador em março de 2011.

LEIA MAIS: Juros do rotativo do cartão de crédito bate recorde de 482,1% ao ano

O Banco Central informou ainda que a taxa do crédito parcelado também subiu e ficou em 161,9% ao ano, alta de 8,1 ponto percentual em relação a dezembro. Já a taxa de juros para o cheque especial apresentou uma tímida redução de 0,3 ponto percentual e fechou janeiro em 328,3% ao ano.

A taxa média de juros para as famílias brasileiras ficou em 72,7% ao ano, com alta de1 ponto percentual na comparação entre dezembro e janeiro.  A inadimplência do crédito, que considera atrasos acima de 90 dias, para pessoas físicas ficou estável em 6% no período analisado pela instituição.

Inadimplência

Em contrapartida, a taxa de inadimplência das empresas subiu 0,2 ponto percentual e atingiu 5,4%. A taxa média de juros cobrada das pessoas jurídicas subiu 1 ponto percentual para 28,8% ao ano. Todos os dados referem-se ao crédito livre, em que os bancos têm autonomia em definir a taxa de juros a ser praticada.

LEIA MAIS: Mesmo com redução dos juros básicos, spread bancário resiste a cair

Crédito direcionado

Outro dado divulgado pelo BC refere-se ao crédito direcionado – que são empréstimos que seguem regras definidas pelo governo. A taxa de juros para pessoas físicas ficou estável na comparação mensal em 10,4% ao ano. A taxa cobrada das empresas subiu 1,6 ponto percentual para 12,5% ao ano. A inadimplência das famílias teve leve alta de 0,1 ponto percentual para 1,8% e das empresas permaneceu em 1,8%.

O saldo de todas as operações de crédito concedido pelos bancos foi de R$ 3,073 trilhões, montante esse que representa uma queda de 1% em janeiro ao ser comparado a dezembro. Em 12 meses, a retração ficou em 3,9%. Esse saldo correspondeu a 48,7% de tudo o que o país produz – Produto Interno Bruto (PIB), em janeiro. Em dezembro, esse percentual era 49,4% do PIB, informou o Banco Central.

LEIA MAIS: Juros do cartão de crédito tem queda e o do cheque especial alta, diz Anefac

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.