Tamanho do texto

Ao reduzir juros, governo quer estimular consumo, já que preços podem cair; educador financeiro pede cautela antes de comprar ou tomar empréstimos

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central anunciou, na quinta-feira (22), a quarta queda consecutiva da taxa básica de juros da economia , a Selic. O índice foi reduzido em 0,75 ponto percentual, ficando agora em 12,25% ao ano. A decisão causa mudanças em diversos cenários, mas o que de fato altera em sua vida? Ao abaixar os juros, um dos objetivos do governo é impulsionar o consumo, já que os preços também podem cair.

De acordo com o presidente da DSOP Educação Financeira, Reinaldo Domingos, a redução da Selic também influencia na queda de juros para tomadas de empréstimos e parcelamentos. Segundo ele, o governo mostra, claramente, a intenção de motivar a população a voltar às compras. "Até pelo fato de que a decisão tem impacto negativo para muitos investimentos", explica.

A taxa overnight do Selic é o resultado da média ponderada pelo volume das operações compromissadas realizadas em um dia
iStock
A taxa overnight do Selic é o resultado da média ponderada pelo volume das operações compromissadas realizadas em um dia

LEIA MAIS: Intenção de financiamento dos brasileiros registra alta de 9,4%, diz pesquisa

A taxa retornou ao nível que estava em março de 2015. Entre outubro de 2012 e abril de 2013, foi mantida no menor nível da história, em 7,25% ao ano. O maior nível da Selic foi registrado em julho de 2015, quando a taxa esteve em 14,25% ao ano. Somente em outubro de 2016, o Copom voltou a reduzir gradativamente os juros.

Para aqueles que mantêm aplicações que utilizam a taxa básica de juros como base, a notícia não foi tão boa, pois estas perderão rentabilidade. A caderneta de poupança, no entanto, não sofrerá alterações, pois se os juros forem iguais ou superiores a 8,50% ao ano, os rendimentos são de 0,50% ao mês mais Taxa Referencial (TR).

Aos consumidores que precisam de tomar empréstimos ou fazer parcelamentos, a queda é positiva, pois a taxa influencia diretamente nestas situações. No entanto, se os juros forem definidos antes, nada mudará. O educador financeiro também esclarece que, apesar do estímulo do governo, é importante ter cuidado ao contrair dívidas.

LEIA MAIS: Desemprego fecha 2016 com taxa média de desocupação de 20,9%

"Mesmo sendo uma sinalização de incentivo ao consumo, é preciso ter cautela, pois o cenário ainda não é dos melhores", alerta Domingos. "Assim, o consumo deve ser focado nas reais necessidades e objetivos, acabou a era da festa dos gastos". A recomendação em momentos de queda da taxa Selic é pensar duas vezes antes de comprar, parcelar com juros ou adquirir empréstimos.