Tamanho do texto

Pesquisa realizada pela Fecomercio-SP aponta extinção de 2.381 vagas no atacado paulista, frente à geração de 1.082 em novembro do ano passado

Brasil Econômico

De acordo com a Fecomercio-SP, em dezembro do ano passado , foram extintos 1.462 empregos com carteira assinada no comércio atacadista da cidade de São Paulo
iStock
De acordo com a Fecomercio-SP, em dezembro do ano passado , foram extintos 1.462 empregos com carteira assinada no comércio atacadista da cidade de São Paulo

De acordo com a Pesquisa de Emprego no Comércio Atacadista do Estado de São Paulo (PESP Atacado) realizada pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (Fecomercio-SP), em dezembro de 2016, o comércio atacadista eliminou 2.381 postos de trabalhos, com o registro de 9.894 admissões ante 12.275 desligamentos. Com isso, encerrou o ano com 491.942 trabalhadores formais, resultado 1,5% mais baixo se comparado a dezembro de 2015.

LEIA MAIS: Brasil tem 12,3 milhões de desempregados no 4º tri; maior índice desde 2012

No acumulado de janeiro a dezembro, a pesquisa da Fecomercio-SP apontou saldo negativo de 7.474 empregos formais. Contudo, o resultado foi considerado um pouco melhor em 2015, onde 17.225 postos de trabalho com carteira assinada foram extintos.

Atividades e regiões

Em dezembro, das 10 atividades inseridas no levantamento, sete apresentaram quedas no estoque de empregos se comparadas ao mesmo mês de 2015. O setor de eletrônicos e equipamentos de uso pessoal recuou 5,7%, assim como máquinas de uso comercial e industrial, com queda de 4,2% e de material de construção, madeira e ferramentas, com retração de 3,8%.

Por outro lado, produtos farmacêuticos e higiene pessoal, energia e combustíveis e alimentos e bebidas registraram crescimentos de 1,6%, 0,9% e 0,6%, respectivamente.

Já entre 16 regiões pertencentes a pesquisa, apenas seis registraram saldo positivo de empregos em dezembro do ano passado. Os destaques foram Bauru, com 174, Taubaté, com 85 e Litoral, com 60. Em relação aos saldos negativos, ficaram a Capital, com -1.462, Osasco, com -400 e Campinas, com -300.

Segundo a assessoria econômica da Fecomercio-SP, em dezembro o atacado paulista apresentou perda sazonal de vagas formais, com mais desligamentos do que admissões. Com isso, foram extintas 2.381 vagas, frente à geração de 1.082 em novembro de 2016.

LEIA MAIS: ICMS: prefeituras recebem R$ 404 milhões em repasses de fevereiro

Na comparação interanual, o saldo do ano passado foi considerado mais ameno, mesmo que não tenha sido revertido. Essa desaceleração das perdas, também presente no varejo em relação a dezembro, registrou no primeiro semestre de 2016 perda de quase 8 mil vagas, ante a abertura de 329 postos de trabalhos nos últimos seis meses.

Atividades de bens essenciais ao consumo, como atacado de alimentos, bebidas, produtos farmacêuticos e energia, apresentaram um maior número de vagas no ano passado. Para 2017, a Federação estima pausas nas perdas de vagas no atacado, com dependência a recuperação do varejo, devido à redução inflacionária de juros e do próprio desemprego. A Fecomercio-SP acredita em um segundo semestre mais positivo, o que pode refletir nas vendas ou no mercado de trabalho formal do atacado paulista. 

Atacado paulistano

Também em dezembro de 2016, foram extintos 1.462 empregos com carteira assinada no comércio atacadista da cidade de São Paulo. A ocupação formal alcançou cerca de  204.355 empregados, com saldo acumulado negativo nos 12 meses, com 3.349 empregos. O resultado ocasionou na diminuição de 1,6% do estoque total de trabalhadores ante aos registros do mesmo mês de 2015. 

A Fecomercio-SP ainda evidenciou que das 10 atividades, somente  um segmento gerou empregos em dezembro, sendo ele o de energia e combustíveis, com 14 empregos. Já as atividades de eletrônicos e equipamentos de uso pessoal dominaram os destaques negativos, com o saldo desfavorável de 285. Em seguida ficaram tecidos, vestuário e calçados, com -281 e máquinas de uso comercial e industrial, com -192.

LEIA MAIS: Previdência: empresas respondem por quase três vezes o deficit do setor