Tamanho do texto

O principal meio utilizado para a realização dos investimento será o próprio capital; 84% dos MPEs não pretende fazer contratação de crédito

Brasil Econômico

Nesta segunda-feira (20) o Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e a Confederação Nacional de Dirigentes (CNDL) divulgaram uma pesquisa onde é apontado que a intenção de realizar um investimento entre os Micro e Pequenos Empresários (MPEs) cresceu 12,3% em janeiro de 2017.

LEIA MAIS: Caixa recebe 356 mil trabalhadores no primeiro sábado de plantão do FGTS

Principal meio de investimento utilizado pelos MPEs será o capital próprio
shutterstock
Principal meio de investimento utilizado pelos MPEs será o capital próprio

O crescimento diz respeito à intenção de investimento nos próximos 90 dias, e embora a intenção tenha aumentado, o indicador ainda está baixo, com o patamar de 29,46 pontos. Ou seja, bem inferior à máxima dos 100 pontos.

Insegurança                                                                       

A pesquisa do SPC Brasil e da CNDL apurou que 64% dos MPEs não pretendem investir, também no período de 90 dias. O principal motivo para a cautela é por que os empresários não enxergam necessidade para tal feito.

Outra razão que contribuiu para o resultado é o cenário de recessão vivido, 24% dos que não pretendem investir alegaram esse motivo.

A economista-chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti, explica que embora a maioria dos MPEs esteja com seus planos de investimento adiados, a queda da taxa de juros observada nos últimos meses e o aumento de confiança do setor empresarial podem influenciar positivamente na procura por investimentos, ainda que de forma discreta.

Apostadores?

Já os MPEs que pretendem investir nos próximos três meses totalizam 24% do total respondente da pesquisa. O principal meio utilizado, segundo a apuração, é o capital próprio do negócio (poupança e investimento, por exemplo).

LEIA MAIS: Mercado estima inflação abaixo da meta de 4,5% e Selic de 12,25% ao ano

A finalidade que mais se destaca é o aumento nas vendas, a ampliação de estoque e a reforma da empresa, com respectivamente 47%, 30% e 29% das intenções dos empresários.

Contratação de crédito

Apesar da insegurança por causa da crise econômica, o principal motivo que tem feito os empresários evitarem a contratação de crédito é a não necessidade dele, uma vez que 47% das MPEs têm conseguido se manter com os próprios recursos.

O Indicador de Demanda por Crédito apurou também que dos 84% dos empresários que não pretendem tomar crédito, 18% se nega ao recurso por conta das altas taxas de juros cobradas.

Marcela Kawauti acredita que a burocracia presente no momento da contratação de crédito também é um dos obstáculos presente na vida dos MPEs. Ela ainda conclui que “o incentivo a políticas que facilitem a concessão e reduzam o custo do crédito é algo que pode mudar este cenário”.

Dentre os empresários que pretendem fazer o investimento, 46% ainda não sabem qual modalidade será contratada. O principal destino do crédito é o capital de giro, que pretende ser utilizado por 38% dos MPEs que querem contratar crédito. Logo em seguida, vem microcrédito com 28% das intenções e 14% pretende utilizar o cartão de crédito empresarial.

LEIA MAIS: E-commerce cresce 7,4% e fatura R$ 44,4 bilhões em 2016

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.