Tamanho do texto

Limite para financiar imóveis com FGTS será ampliado para R$ 1,5 milhão

Brasil Econômico

Segundo o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, o governo pretende aumentar o limite para o financiamento imobiliário para R$ 1,5 milhão com a utilização de recursos do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS).

LEIA MAIS: Veja as datas para o saque das contas inativas do Fundo de Garantia

Limite para o financiamento imobiliário será ampliado para R$ 1,5 milhão
shutterstock
Limite para o financiamento imobiliário será ampliado para R$ 1,5 milhão


Entretanto, o Ministério da Fazenda ainda não divulgou detalhes sobre o aumento do limite para do valor dos imóveis financiados com recursos do FGTS. Atualmente o valor máximo para financiamento imobiliário é de R$ 800 mil. Porém, nas capitais: Distrito Federal, Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo, esse montante chega a R$ 950 mil.

 “A classe média vai ser extremamente beneficiada, porque não só pode sacar as contas inativas [do FGTS], mas pode usar também recursos das contas ativas para financiar e pagar a casa própria”, disse o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, em entrevista concedida na quarta-feira (15) à GloboNews.

Nesta quinta-feira (16) a Caixa Econômica Federal publicou no Diário Oficial da União o orçamento operacional para o FGTS. O valor de recursos será de R$ 58,5 bilhões.  De acordo com a circular, esses recursos serão destinados para habitação popular e saneamento básico.

LEIA MAIS: Financiamento imobiliário: especialistas dão dicas para compra de imóveis

Infraestrutura

Para saneamento básico serão destinados até R$ 5 bilhões para operações de crédito no âmbito do Programa Saneamento para Todos Setor Público e até R$ 4 bilhões para operações de crédito no âmbito do Programa Saneamento para Todos Setor Privado.

Outros R$ 7 bilhões serão direcionados à concessão de crédito e empregados à área de infraestrutura urbana. O mesmo valor será destinado em todo o País, porém em créditos ao setor privado.

Financiamento imobiliário

Para financiamentos o valor máximo a ser empregado será de R$ 33,5 bilhões, recurso esse destinado a pessoas físicas e jurídicas, com renda mensal bruta de R4 3,6 mil.

O montante empregado aos financiamentos para pessoas físicas será de R$ 3 bilhões para empréstimos em áreas urbanas ou rurais, destinados à construção ou aquisição de unidades habitacionais novas.

Outros R$ 5 bilhões serão alocados para financiamentos, em áreas urbanas ou rurais, destinados à construção ou aquisição de unidades habitacionais novas, além de R$ 1 bilhão para financiamentos, exclusivamente, em áreas urbanas, destinados à aquisição de unidades habitacionais usadas ou produção de lotes urbanizados.

Nas aplicações dos recursos constantes do Orçamento Operacional, especificamente destinados às demais operações habitacionais, serão destinados R$ 5 bilhões para a execução de financiamento imobiliário do Programa Especial de Crédito Habitacional ao Cotista.

LEIA MAIS: Conheça os principais sistemas de financiamento imobiliário e suas diferenças

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.