Tamanho do texto

Moeda norte-americana chegou a operar em queda nesta quinta-feira (16), mas terminou em alta após dois dias consecutivos de desvalorização

Agência Brasil

Apesar de ajudar os exportadores e a balança comercial, valorização do dólar prejudica o País em uma série de pontos
shutterstock
Apesar de ajudar os exportadores e a balança comercial, valorização do dólar prejudica o País em uma série de pontos

O dólar encerrou o dia com a cotação a R$ 3,08 em um momento de expectativa pela desvalorização da moeda, que nesta quarta-feira (15) havia alcançado a menor cotação desde 18 de junho de 2015, fechando em R$ 3,06. A moeda chegou a operar em queda nesta quinta-feira (16), mas terminou em alta após dois dias de desvalorização.

LEIA MAIS:Situação de Previdência nos Estados é a mais grave, diz representante do governo

Emerson Marçal, professor da Escola de Economia de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas (EESP-FGV), disse que existe uma tendência de valorização do real atrelada a uma onda de otimismo que está se formando no mercado. “As pessoas estão otimistas com o que pode vir ao longo deste ano”, afirmou Marçal. “A percepção de risco do país está caindo no exterior. Está se formando uma ondinha de otimismo com relação ao futuro próximo da economia brasileira, então tudo isso está fazendo com que a moeda [ dólar ] seja pressionada para baixo”.

LEIA MAIS: Financiamento de veículos novos tem queda de 9,9% em 2016, diz Anef

Mesmo não acreditando na tendência de apreciação do real, Marçal diz que há elementos que podem interferir nessa trajetória. “O que pode alterar isso um pouco é quando tiver a reunião do Comitê de Política Monetária [Copom] e, de repente, se ele fizer um corte mais agressivo na taxa de juros, aí talvez isso afete o câmbio e barre essa tendência de apreciação. Ou se o Banco Central começar a comprar reservas sistematicamente ou intervir no mercado para evitar a valorização [do real]”.

O aumento é ruim?

Apesar de ajudar os exportadores e a balança comercial, a valorização do dólar prejudica o País em uma série de pontos. Com a moeda norte-americana em baixa, é possível, por exemplo, registrar uma queda na inflação. Isso acontece porque uma série de produtos industrializados, inclusive alimentos que compõem a cesta básica, possuem insumos importados, como o trigo, por exemplo, para fabricar o pão. A queda da moeda americana arrasta o preço destes produtos para baixo, motivando a queda na inflação.

LEIA MAIS: Reforma trabalhista não envolve aumento de jornada nem fim do 13º, diz ministro

Além disso, a desvalorização do dólar também pode reduzir os débitos do governo. A dívida externa do Brasil, que atualmente está em torno de US$ 330 bilhões, é sempre cotada na moeda americana. A queda de alguns centavos proporciona a economia de alguns milhões ao país e aos brasileiros.